Ginásios reabrem a 5 de Abril, sem aulas de grupo

Na mesma data recomeçam as modalidades de baixo risco. O ciclo desportivo completa-se a 3 de Maio.

Foto
Rui Gaudencio

O dia 5 de Abril foi a data escolhida pelo Governo para o tiro de partida no que respeita à retoma da actividade desportiva em Portugal. No arranque do próximo mês, reabrem portas os ginásios, passa a ser permitida a actividade física ao ar livre e a prática de modalidades de baixo risco. Os desportos colectivos, esses, regressam maioritariamente a 19 de Abril.

Para os frequentadores assíduos do ginásio, a provação está perto de chegar ao fim. A partir de 5 de Abril, poderão retomar a actividade, sendo que a única interdição serão as aulas de grupo. Para já, porque um mês depois também passam a fazer parte da lista das permissões.

As recomendações que já foram seguidas no final do ano passado mantêm-se. Ou seja, a limpeza frequente das instalações, a higienização regular das mãos, a separação tanto quanto possível dos utentes ou até a frequência por marcação prévia. No fundo, as mesmas regras que foram adoptadas até ter sido decretado o segundo confinamento.

Juntamente com os ginásios, é levantada a “barreira” para a prática desportiva ao ar livre (limitada a quatro pessoas) e para as modalidades consideradas de baixo risco, de acordo com a estratificação determinada pelo Governo no ano passado. Ou seja, a natação, o surf, o ténis ou o ténis de mesa são, entre outras, disciplinas que regressam ao activo a 5 de Abril.

O segundo capítulo da retoma do desporto está agendado para 19 de Abril. Nessa altura, voltam as principais modalidades colectivas, ou seja, aquelas que são consideradas de médio risco: o futebol, o andebol, o voleibol, o basquetebol, o hóquei em patins ou o futsal. No fundo, regressa a esmagadora maioria dos praticantes portugueses aos campos de treino, estádios e pavilhões. Paralelamente, a actividade ao ar livre vê a fasquia subir até às seis pessoas.

Finalmente, de acordo com o plano anunciado pelo Governo, a 3 de Maio será a vez da normalização possível, com a entrada em cena das modalidades de alto risco, como as artes marciais, o râguebi ou o pólo aquático. Nesta data, os ginásios também passam a poder acolher aulas de grupo e a prática de desporto ao ar livre decorrerá sem limitações.

Até que ponto é que esta calendarização permitirá terminar os campeonatos seniores das principais modalidades é uma questão que, em muitos casos, irá ser avaliada, porque a longa paragem (e as várias interrupções e adiamentos de jogos dos diferentes campeonatos) registada nos últimos meses obrigará a uma sobrecarga competitiva tremenda entre Maio e Julho, para que as provas possam terminar dentro das datas estipuladas pelos regulamentos. 

O primeiro-ministro avisou esta quinta-feira que as medidas da reabertura serão revistas sempre que Portugal ultrapassar os “120 novos casos por dia por 100 mil habitantes a 14 dias” ou sempre que o índice de transmissibilidade ultrapasse o 1.