Covid-19: Portugal regista mais 1007 casos e 26 mortes — o número mais baixo de óbitos dos últimos quatro meses

Há menos 167 pessoas com covid-19 internadas nos hospitais portugueses, num total de 1416, e menos 20 pacientes em unidades de cuidados intensivos, num total de 363. Há 22 dias consecutivos que o número de pacientes em cuidados intensivos tem vindo a diminuir.

Foto
Hospital de São João, Porto Manuel Roberto

Portugal registou mais 26 mortes e 1007 novos casos de infecção pelo novo coronavírus (o que corresponde a um aumento de 0,1%)​, de acordo com os dados mais recentes da Direcção-Geral da Saúde (DGS). Há mais de quatro meses que não se registava um número de mortes diárias tão baixo — desde 28 de Outubro, dia em que Portugal contabilizou mais 24 óbitos por covid-19.

No boletim divulgado este sábado, cujos dados correspondem à totalidade de sexta-feira, a DGS deixa uma nota na qual refere que, “dos dados apresentados da região autónoma da Madeira, 81% dos casos teve um período entre o diagnóstico e notificação superior a 48 horas, decorrente de intercorrências informáticas de um laboratório na região e que se encontram em processo de regularização”.

No total, o país contabiliza 16.512 óbitos por covid-19 e 809.412 casos confirmados desde Março.

Há menos 167 pessoas com covid-19 internadas nos hospitais portugueses, num total de 1416, e menos 20 pacientes em unidades de cuidados intensivos, num total de 363. Há 22 dias consecutivos que o número de pacientes em cuidados intensivos tem vindo a diminuir.

Segundo os dados que constam do boletim, Lisboa e Vale do Tejo contabiliza mais de metade das mortes reportadas este sábado, tendo registado mais 16 óbitos e 331 infectados (33% do total de novos casos). Já a região Norte contabiliza mais 210 infectados (21%) e quatro óbitos.

Recuperaram da doença mais 1942 pessoas, contabilizando-se agora um total de 730.601 recuperados. Ao todo, há 62.299 casos activos em Portugal.

As 26 vítimas mortais identificadas nos dados deste sábado incluem dois homens entre os 50 e 59 anos; uma mulher entre os 60 e 69 anos; dez homens e duas mulheres entre os 70 e 79 anos; e oito homens e três mulheres (42% das mortes reportadas este sábado) com mais de 80 anos — a faixa etária mais afectada em termos de óbitos.

O Norte contabiliza um total acumulado de 327.370 casos confirmados desde o início da pandemia, sendo a zona do país com maior número de infecções. Seguem-se Lisboa e Vale do Tejo, com 306.596 casos; o Centro, com 115.529 casos (mais 125 em relação ao dia anterior); o Alentejo, com 28.599 casos (mais 26) e o Algarve, com 20.207 infectados (mais 18). O arquipélago dos Açores contabiliza um total de 3800 casos de infecção desde o início da pandemia (mais nove) e a Madeira 7311 (mais 288).

A região de Lisboa e Vale do Tejo regista 6933 mortes por covid-19 acumuladas desde Março e a região Norte 5248. O Centro soma agora 2941 mortes (mais seis) e o Alentejo e o Algarve mantêm-se com 957 e 344 óbitos por covid-19, respectivamente. Os arquipélagos dos Açores e da Madeira também se mantêm com um total de 28 e 61 mortes causadas pela doença, respectivamente, não tendo reportado nenhuma vítima mortal este sábado.

Índice de contágio sobe de forma ligeira em todo o país

O índice de transmissibilidade da covid-19 (conhecido como Rt) subiu ligeiramente a nível nacional nas últimas duas semanas. Segundo o relatório publicado esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, que tem feito uma análise semanal destes dados, o índice foi de 0,71 entre 24 e 28 de Fevereiro, valor que representa uma ligeira subida em relação aos 0,68 e 0,66 dos dois períodos anteriores.

A subida deste indicador significa que não já não está a descer a uma velocidade tão acentuada como em meados de Fevereiro, altura em que o valor mínimo do Rt foi registado em Portugal. Ainda assim, todas as regiões do país (à excepção das regiões autónomas) continuam com um índice de transmissibilidade abaixo de um.

Portugal já administrou um milhão de vacinas contra a covid-19

Até ao momento, já foram administradas 1.000.000 doses da vacina contra a covid-19 em Portugal, de acordo com o contador do site do Serviço Nacional de Saúde. Se olharmos para os últimos dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde, relativos ao dia 5 de Março de 2021, 2,79% dos portugueses já receberam as duas doses da vacina – ou seja, estão completamente vacinados contra a covid-19.

Significa isto que falta ainda vacinar 67,21% dos cidadãos para atingirmos a imunidade de grupo (ainda que esta fasquia possa variar dependendo das previsões). Com novas vacinas no horizonte e uma maior produção destes fármacos, o ritmo de vacinação vai aumentar. Estamos neste momento na primeira fase de vacinação.

Portugal é o 24.º país com a maior taxa de doses administradas por 100 habitantes do mundo.