É para ficarmos fechados em casa até haver zero casos?

É só a mim que me parece que há actualmente um desequilíbrio brutal entre os números da pandemia e o esforço que está a ser exigido ao país?

O meu problema é com a lógica. Chamem-me esquisito, mas eu gosto que as coisas tenham lógica e sejam compreensíveis para pessoas de inteligência moderada, como é o meu caso. Ora, continuo a ter muitas dificuldades em perceber quais são os fundamentos que presidem aos fechos e às aberturas do país, aos confinamentos e aos desconfinamentos, fora daquilo que é uma espécie de emotividade geral – chamemos-lhe o “sentimentalismo pandémico”, que é quando as pessoas acham que já existem casos a mais, ou quando ainda está fresca na memória a fila de ambulâncias à porta dos hospitais.