O blues’n’roll dos Dog’s Bollocks renasce em força em Deathwish

Duas guitarras, meia bateria e uma mão-cheia de blues e rock’n’roll: assim se apresentam os Dog’s Bollocks, banda formada a dois em Torres Novas, em 2014, por Luís Leitão e Daniel Martins. Single Malt Blues foi o seu primeiro álbum, lançado em 2015, e desde então têm vindo a circular por vários palcos, de bares a festivais, já com um lote de novas canções, sete das quais podem ser ouvidas, a par de cinco de Single Malt Blues no registo ao vivo, em vídeo, de um concerto dos Dog’s Bollocks no Teatro Virgínia (Torres Novas), em 11 de Outubro de 2019, que está disponível no Youtube.

Entre esses temas estavam Special needs, que foi lançado em single e videoclipe em 2020, e Deathwish, tema que é lançado agora, esta sexta-feira, também em single e videoclipe. Este tema, que, segundo afirma Luís Leitão na apresentação do single, “não conta bem uma história”, é o “retrato de um personagem que representa uma vida sem objectivos e sem grande esperança no futuro, mas ao mesmo tempo, sem regras, nem preocupações.” Foi gravado em estúdio como se se tratasse de um ensaio e, ainda de acordo com as palavras de Luís Leitão, “as gravações correram bastante bem, tirando um ou dois overdubs para os coros. Foi tudo gravado como se vê no vídeo, num take directo para conseguirmos captar aquela energia de concerto.”

Com referências que misturam Chuck Berry, Legendary Tigerman, White Stripes, Misfits, Dead Kennedys ou Beach Boys, os Dog’s Bollocks preparam o sucessor de Single Malt Blues, como diz Luís Leitão no comunicado de lançamento: “Temos mais um tema que foi gravado na mesma sessão e que está pronto a sair, mas ainda não temos data de lançamento. De resto temos mais uma série de músicas que planeamos gravar assim que nos for possível.”

Sugerir correcção