Greve feminista. Concentrações em seis cidades e muita acção online

Rede 8 de Março organiza acções de protesto na rua. Nova plataforma Greve Feminista Internacional aposta em acções online, embora também marque presença no espaço público

Foto
Greve Feminista Internacional 2019 no Porto ADRIANO MIRANDA

A Greve Internacional Feminista está convocada para a próxima segunda-feira, 8 de Março, Dia Internacional da Mulher. A crise pandémica exige criatividade, mas, mesmo assim, o protesto terá expressão no espaço público. Haverá concentrações em seis cidades.

A Rede 8 de Março – que reúne colectivos, associações, organizações políticas, sindicatos e activistas a título individual e que organizou o protesto nos últimos dois anos – agendou concentrações de Norte a Sul do país e ilhas: Faro (mercado municipal, 11h30), Coimbra (Praça 8 de Maio, 17h), Lisboa (Praça D. Pedro IV, 18h), Ponta Delgada (Portas da Cidade, 18h), Braga (Avenida Central, 18h30) e Porto (Avenida dos Aliados, 19h). A assembleia nacional online está marcada para as 18h.

Desta vez, em vez de um manifesto, há uma longa lista de reivindicações agrupadas em blocos temáticos. Em traços largos, a acção faz-se contra a precariedade, a violência machista, a objectificação dos corpos, o racismo, a extrema-direita. E pelo direito à autodeterminação de género, à saúde, à habitação, à educação.

A organização desafiou as duas centrais sindicais a aderirem a esta paralisação, que, como de costume, assenta em quatro pilares: greve laboral, greve aos cuidados, greve ao consumo, greve estudantil. Ao que diz Aline Nunes, da organização, só o Sindicato dos Trabalhadores de Call Center e o Sindicato de Todos os Professores responderam à chamada. O Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica far-se-á representar na assembleia online. O Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem diz-se solidário, embora a pandemia o leve a não convocar greve.

 A nova plataforma Greve Feminista Internacional, que reúne colectivos e associações de feminismo interseccional, vai concentrar a sua acção online, mas não quis deixar de marcar presença no espaço público. Às 16h30, haverá uma emissão em directo no canal de YouTube  Greve Feminista PT​ desde a Praça Luís de Camões, em Lisboa, e da Praça do Marquês de Pombal, no Porto.

“No dia 7, às 23h59, vamos lançar as nossas contas nas redes sociais (@grevefeminista.pt) e um site (grevefeminista.pt) e com isso começar a manifestação online da greve feminista de 2021”, diz Andreia Quartau, uma das porta-vozes. “Para dar liberdade total às pessoas para se manifestarem, convidados a partilhar uma foto com #grevefememinsita2021 e #8marco2021 e #senosparamosomundopara. “Para ajudar nessa criatividade, vamos lançar nas redes um kit manifestação com várias ideias, mas as pessoas vão ter liberdade total. Podem fazer um vídeo a cantar, a dançar, a pôr música...”

Na chamada há um lembrar das “diferentes jornadas de trabalho que a maioria das mulheres acumula”. “O objectivo fundamental da greve, em plena pandemia de covid-19, é colocar a vida no centro, “reclamando a valorização do trabalho de cuidados e doméstico – trabalho este desvalorizado aos olhos da sociedade, executado maioritariamente por mulheres (90%), mas imprescindível para a sobrevivência de todas e todos nós.”

As iniciativas multiplicam-se por estes dias um pouco por todo o lado. A UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, que integra a plataforma Greve Feminista Internacional, lançou a sua própria lista reivindicativa. Reclama, por exemplo, “direito a uma habitação digna”, “campanhas contra a mentalidade machista”, maior aplicação de medidas de “afastamento dos agressores de violência doméstica”, “fim dos despedimentos com base na discriminação de género”, “igualdade salarial e salários dignos”, “direitos iguais no acesso ao emprego para mulheres imigrantes, sem discriminação de cor ou classe social”, “direitos para as/os cuidadoras/es informais, nos serviços de apoio e domésticos”, “valorização do trabalho de reprodução social, com estímulo para a partilha de tarefas e para a criação de serviços públicos de apoio”.

Os sindicatos não se puseram de fora da data, apesar de não convocarem greve. Entre 8 e 12, a CGTP-IN promove a Semana da Igualdade. Ao que disse Fátima Messias, da Comissão Executiva, citada pela Agência Lusa, estão marcadas cerca de 900 iniciativas e ainda estão a ser organizadas umas quantas, pelo que o número total deverá chegar a um milhar. “Mesmo em fase de pandemia vamos ter iniciativas por todo o país, sobretudo na rua, para garantir o distanciamento social (...) e queremos que sejam os trabalhadores os protagonistas destas acções”, declarou.