Eutanásia: da constitucionalidade do diploma aprovado (II)

Bem andou o legislador ao fundamentar-se no consenso clínico e ao exigir que o paciente repita a sua vontade sete vezes (ou oito (!), se houver necessidade de parecer de psiquiatra).

Finalizo as razões pelas quais considero que o decreto sobre a morte medicamente assistida não colide com a CRP.