Com 216 câmaras, videovigilância avança em toda a Baixa de Lisboa

As câmaras funcionarão dia e noite para “segurança de pessoas e bens”. Autarquia ambiciona alargar sistema a Belém, ao Parque das Nações e à Almirante Reis.

Foto
Reuters/Toru Hanai

A videovigilância vai avançar em toda a Baixa de Lisboa, no Cais do Sodré, em Santa Apolónia, no Campo das Cebolas e no Miradouro de Santa Catarina. Ao todo serão instaladas 216 câmaras. O secretário de Estado adjunto e da Administração Interna autorizou na segunda-feira a instalação deste sistema, que era uma ambição da Câmara de Lisboa já com vários anos.

A aplicação desta medida tem em vista a “segurança de pessoas e bens” e a prevenção da “prática de crimes em locais com risco de ocorrência”, indicou o Ministério da Administração Interna em nota de imprensa.

O novo sistema de segurança do concelho irá abranger a Praça do Comércio, o Cais das Colunas, o Rossio, a Praça dos Restauradores, a Praça da Figueira, a Rua Augusta, a Rua Áurea, a Rua da Prata, a Rua dos Fanqueiros, a Rua do Comércio e restantes transversais, bem como a Avenida Ribeira das Naus, o Cais do Sodré, Santa Apolónia – Rua dos Caminhos de Ferro e Avenida Infante D. Henrique, o Campo das Cebolas e o Miradouro de Santa Catarina.

No comunicado é assegurado que o uso de câmaras seguirá todas as recomendações da Comissão Nacional de Protecção de Dados, que emitiu parecer favorável ao sistema no fim do ano passado. Como tal, não é permitida “a utilização de câmaras ocultas” e é salvaguardada a “privacidade e segurança” dos cidadãos.

A mesma nota indica ainda que o “chefe da área operacional do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP é o responsável pela conservação e tratamento dos dados”. A autorização para o funcionamento deste sistema de videovigilância é válida por um período de dois anos “a contar da data da sua activação”.

Há cerca de sete anos que existe um sistema de videovigilância no Bairro Alto, que terá contribuído para uma significativa diminuição da criminalidade. A intenção da Câmara de Lisboa é alargar esta medida a mais zonas da cidade, como a Av. Almirante Reis, o Martim Moniz, Belém e o Parque das Nações. com João Pedro Pincha