Marcelo diz que é preciso “aprender a lição” da gestão da pandemia

Em vídeo publicado pelo JN, o Presidente da República assinalou o primeiro ano desde o aparecimento dos casos covid-19 em Portugal

Foto
Presidente da República salientou que deve continuar a existir unidade nacional LUSA/MIGUEL FIGUEIREDO LOPES

O Presidente da República sustentou que é preciso “aprender a lição” do que “correu bem” e do que “não correu bem” na gestão da pandemia. Numa mensagem gravada em vídeo para o grupo DN/JN/TSF e O Jogo, que serviu para assinalar um ano do registo dos primeiros casos de covid-19 em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa deixou ainda uma palavra de “gratidão” aos portugueses e ao pessoal de saúde.

“A quarta palavra é aprender a lição do que correu bem – a coragem, dedicação, a determinação e a solidariedade, a persistência dos portugueses desde logo no confinamento que teve de se repetir por circunstâncias adversas, mas também o que correu menos bem, o que ficou aquém das expectativas por razões involuntárias porque não era possível prever ou por alguma responsabilidade porque era possível prever, era possível projectar e isso não aconteceu”, afirmou. “Serve de lição para o futuro, esperando nós não ter outras pandemias como esta”, acrescentou.

No vídeo com três minutos, o chefe de Estado salientou a “unidade nacional” que existiu e que continua a existir “em larga medida”, defendendo que deve “continuar até ao termo do processo pandémico”.

Entre as quatro palavras que Marcelo Rebelo de Sousa quis deixar neste primeiro ano da pandemia, está a de “gratidão aos portugueses, ao pessoal de saúde” e a “todos os que ajudaram a salvar vidas” bem como a de “mobilização” para um processo que ainda não terminou. “Comparando com o tempo decorrido, aquilo que vivemos é mais longo do que o que vamos viver”, afirmou. Na mensagem, o Presidente da República disse que a sua primeira palavra é “memória”: “Não podemos esquecer, não vamos esquecer o que se passou este ano”.