Sérgio Conceição: “Vão ter que levar connosco até ao fim!”

Treinador do FC Porto considera que o campeonato não está decidido e deixa críticas à postura do Sporting e da arbitragem.

Foto
LUSA/JOSÉ COELHO

Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, criticou a postura do Sporting e a complacência da arbitragem, que acusa de ter resumido todas as paragens do jogo a três minutos de compensação, algo que o levou a questionar por que razão esteve o melhor árbitro no VAR e João Pinheiro em campo.

O treinador portista sublinhou a atitude da equipa que comanda e as inúmeras situações construídas em busca da vitória que reduziria para sete pontos a diferença entre FC Porto e Sporting.

“Criámos quatro ou cinco ocasiões. Quisemos ganhar o jogo. Encontrámos uma equipa que quis defender e que esteve relativamente bem nesse aspecto”, salientou, garantindo que no ADN dos “dragões" não existe o gene dos desistentes: “Vão ter que levar connosco até ao fim”, declarou, assumindo que o campeonato não está decidido. 

Rúben Amorim, treinador do Sporting, continua, apesar de ter saído do Dragão com dez pontos de vantagem para o segundo classificado, a não assumir a candidatura ao título. O técnico sustenta esta posição até ao dia em que ficar a três pontos de assegurar a conquista do campeonato, mantendo, entretanto, a confiança num grupo de jovens jogadores que estão a crescer.

“Já aconteceu em Portugal, perder vantagens e deixar fugir títulos. Se isso acontecer, serei o responsável. Esta equipa é muito jovem e tudo pode acontecer. Por isso, não vamos assumir nada até faltarem três pontos”, assumiu Rúben Amorim, reconhecendo a valia do adversário e as dificuldades do Sporting, espelhadas em jovens como Nuno Mendes e Tiago Tomás.

“Há um ano, o Nuno Mendes jogava com miúdos. Agora enfrentou o Corona, o Marega e o Manafá e isso em termos emocionais pesa mais do que fisicamente. Por isso acabou o jogo em dificuldades. O Tiago é júnior, está a crescer e encontrou o Pepe e o Mbemba”, explicou Rúben Amorim, para quem “o jogo foi bem disputado, mais do que bem jogado”.

De resto, o treinador do Sporting sublinhou que a equipa não abdicou de tentar a vitória, que podia ter acontecido “no remate de Matheus”, ainda que reconhecendo que o FC Porto esteve melhor nesse capítulo, criando mais ocasiões de golo.

Rúben Amorim só não considera o empate totalmente satisfatório porque pode ver o Sp. Braga a ficar a nove pontos da liderança, o que, matematicamente, seria sempre menos favorável do que ter o campeão nacional a dez pontos.