Rúben Amorim: “Gritos? A culpa é do Nuno Santos”

Treinado do Sporting responde a Sérgio Conceição na conferência de imprensa do “clássico” de sábado com o FC Porto.

Foto
Rúben Amorim, treinador do Sporting LUSA/FERNANDO VELUDO

À preocupação de Sérgio Conceição com os gritos dos jogadores do Sporting, Rúben Amorim responde com um culpado. “A culpa é do Nuno Santos, que grita muito alto”, brincou o técnico dos “leões” sobre a frase que o treinador do FC Porto tinha proferido umas horas antes, acrescentando que estas coisas acontecem em todos os jogos e com todas as equipas: “Toda a gente grita e toda a gente se levanta. Não há público e nota-se mais.”

Os gritos de quem quer que seja não são uma preocupação para Rúben Amorim. O que interessa ao treinador do Sporting é o “clássico” deste sábado no Dragão, em que a vantagem do líder pode aumentar, diminuir ou ficar na mesma, e não é por ter uma vantagem confortável de dez pontos sobre os “dragões”, diz Amorim, que o Sporting não irá sentir pressão.

“Um jogo de tudo por tudo para o FC Porto? É um tudo por tudo para o Sporting, nós é que temos mais fome. É assim que encaramos o jogo”, sustenta Amorim, para quem a menor experiência do “leões” neste tipo de situações até pode ser benéfica e que não mudou nada no seu trabalho semanal para este “clássico": “A preparação foi igual i não muda consoante os jogos porque temos um plano maior do que apenas um jogo ou um título. Eles estão habituados, mas também há o outro lado, não estamos habituados e não sabemos. Mas também não queremos saber.”

A questão dos gritos não foi a única frase de Sérgio Conceição a que Amorim respondeu. O técnico do FC Porto falou de Sporting como uma equipa que era fácil de desmontar e Amorim até disse concordar, em certa medida, com a opinião de Conceição. “É fácil ver como joga o Sporting. Qualquer pessoa sabe mais ou menos como o Sporting se vai apresentar”, frisou o técnico.

Mas Amorim também referiu que também não é difícil de adivinhar como o FC Porto se irá apresentar: “Pode variar com os jogadores, mas tem um 4x4x2 muito forte. O Taremi e o Marega complementam-se na frente, pode haver mudança entre o Diaz e o Otávio. Sérgio Oliveira, Pepe, Mbemba, Corona, Zaidu ou Sarr,,, Da mesma forma como o FC Porto nos conhece, nós também os conhecemos.”

Este será o terceiro confronto da época entre Sporting e FC Porto, depois de um empate (2-2) na I Liga no início da época e de um triunfo dos “leões (2-1) na Taça da Liga. Amorim diz que tirou lições importantes desses jogos, mas o seu objectivo será sempre melhorar. “Acho que o FC Porto teve algum ascendente na Taça da Liga, mas o primeiro jogo foi importante pela forma como nos batemos e acho que perdemos dois pontos.”

E será este o jogo do título? Amorim responde da mesma maneira como sempre tem respondido: “Não, é mais um jogo. A forma como os jogadores festejaram o golo com o Marítimo mostra que o FC Porto não atirou a toalha ao chão, o Sp. Braga está bem vivo e joga muito bem, o Benfica não está tão desunido como se diz. Temos de dormir com o olho aberto. Temos de ganhar, como se não não tivéssemos dez pontos de vantagem.”

Paulinho será a única baixa dos “leões” para a visita ao Dragão. O técnico do Sporting referiu o antigo avançado do Sp. Braga teve “uma fase complicada” antes de chegar a Alvalade, mas que é um jogador “para cinco anos” e que oferece coisas diferentes à equipa em relação aos outros avançados: “Não é tão rápido como o Tiago Tomás e o Jovane, mas é mais forte a ligar e a segurar. O Tabata também pode estar ali, o Nuno Santos não.”