Arquitectura

A natureza entra por esta casa adentro, em Celorico de Basto

A construção da Casa dos Sobreiros, em Celorico de Basto, deixou o terreno “quase imaculado” e transformou o edifício numa extensão da natureza, às mãos de Hugo Pereira e Diogo Jordão.

Ivo Tavares
Fotogaleria
Ivo Tavares

Já há algum tempo que Hugo Pereira e a mulher “namoravam” aquele terreno, em Celorico de Basto. Os sobreiros, os carvalhos e a envolvência com a natureza tornaram o lote numa oportunidade imprescindível e o arquitecto, em conjunto com Diogo Jordão, não resistiu em criar um diálogo entre a natureza e a arquitectura nesse mesmo local.

Foi assim que nasceu a Casa dos Sobreiros, um volume cinzento e envidraçado, que deixou o terreno, situado numa área de protecção natural por causa da existência de sobreiros, “quase imaculado”, acabando por se tornar a casa de Hugo. Segundo conta ao P3, o objectivo era “sentir a natureza tanto no interior como no exterior” e foi por essa razão que decidiu “abri-la praticamente toda para a paisagem”, de forma a ter “sempre contacto visual com a natureza”.

Virada para nascente sul, e aqui fotografada por Ivo Tavares, a iluminação natural foi outra das características que Hugo decidiu explorar. “Tivemos o cuidado de trabalhar com a luz solar, daí a casa ser totalmente envidraçada nas fachadas interiores. Queríamos uma construção que nos desse uma iluminação quase constante na casa, que aproveitasse o máximo de sol possível o ano todo”, conta.

A homogeneidade do espaço, sem perder os seus traços modernos, foi outro dos objectivos do arquitecto. Construída maioritariamente em betão, por ser o material mais parecido com troncos de sobreiro, a inclinação nas fachadas sugere uma continuidade do terreno, “dissimulando a casa no espaço e na natureza”.

No entanto, o maior desafio para Hugo Pereira não foi tornar a natureza numa parte integrante da moradia, mas sim construir um lar para si próprio. “Uma pessoa quer colocar no papel tudo o que gosta e, por vezes, é difícil de prescindir de algo. Temos de ser cautelosos, se não o resultado final fica um pouco estranho. Nós adoramos, por exemplo, pés-direitos duplos e triplos e tivemos de abdicar deles.”

Texto editado por Amanda Ribeiro

Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares
Ivo Tavares,Ivo Tavares
Ivo Tavares
Sugerir correcção