Desconfinamento na Inglaterra: escolas reabrem a 8 de Março e contacto social vai ser autorizado

Boris Johnson apresentou esta segunda-feira o seu plano de reabertura, esperançado que esta seja “uma estrada de um só sentido em direcção à liberdade”. Desportos ao ar livre podem ser retomados a 29 de Março e comércio não essencial reabre em Abril. A possibilidade de autorizar viagens ao estrangeiro a partir de 17 de Maio será analisada a 12 de Abril.

Foto
Boris Johnson vai apresentar o plano para a retoma das actividades esta segunda-feira Reuters

O Governo de Boris Johnson pretende reabrir as escolas em Inglaterra daqui a duas semanas, a 8 de Março, de acordo com o roteiro para o levantamento das restrições causadas pela covid-19  apresentado nesta segunda-feira pelo primeiro-ministro britânico.

Sublinhando que “o fim está mesmo à vista”, Johnson afirmou, no Parlamento de Londres, que “um ano miserável dará lugar a uma Primavera e um Verão que será substancialmente diferente e incomparavelmente melhor que o cenário à nossa volta de hoje”.

O chefe do Governo afirmou que está esperançado que esta seja “uma estrada de um só sentido em direcção à liberdade”, com sectores da economia em Inglaterra a reabrir “cautelosa e irreversivelmente” desde o princípio de Março até meados de Junho.

O plano prevê uma reabertura faseada, com a progressiva autorização de certas actividades separada por períodos de várias semanas. A primeira etapa é a reabertura das escolas e a permissão para que duas pessoas possam encontrar-se para um café ao ar livre, segundo o Guardian, que teve acesso ao plano governamental. Também passam a ser possíveis as visitas com várias restrições a lares de idosos.

A partir de 29 de Março, quando começa o período de férias escolares da Páscoa, haverá mais restrições a ser levantadas, como a autorização para a realização de desportos ao ar livre, como ténis, basquetebol em parques, e a retoma de competições infantis. Reuniões de seis pessoas ou dois agregados familiares ao ar livre também passam a estar autorizadas.

A possibilidade de reabertura de estabelecimentos comerciais não essenciais está programada para Abril e só em Maio é que poderá haver os primeiros eventos desportivos ou culturais, coordenados com testagem em massa e apenas ainda a título experimental. 

A 17 de Maio, quase todos os sectores económicos poderão reabrir e os ingleses poderão fazer férias no Reino Unido. Ao mesmo tempo vão ser permitidas assistências até dez mil pessoas em acontecimentos desportivos.

O fim das restrições às viagens internacionais, assim como outros aspectos do confinamento, como o teletrabalho, não são contemplados pelo programa de reabertura económica. Para já. No entanto, o Governo tem previsto rever o plano a 12 de Abril e em função dos números de casos e do estado da campanha de vacinação na altura, poderá permitir as viagens internacionais a 17 de Maio.

O optimismo do Governo britânico está relacionado com o progresso da vacinação – o Reino Unido administrou mais de 18 milhões de doses da vacina contra a covid-19 –, mas o plano agora revelado será objecto de ajustes perante a análise das taxas de infecção, que continuam muito elevadas, embora com tendência decrescente. O plano destaca quatro critérios que vão determinar se há condições para levantar mais restrições a cada fase: o andamento da vacinação, a verificação da descida das hospitalizações e mortes por causa da vacinação, redução da taxa de infecções e a ausência de ameaça por parte de novas variantes do vírus.

“A sequência será orientada em função dos dados, por isso, as actividades ao ar livre são priorizadas como a melhor forma de restaurar liberdades ao mesmo tempo que se minimiza o risco”, disse o primeiro-ministro britânico.

Este ritmo cauteloso da retoma das actividades proposto pelo número 10 de Downing Street é criticado por um grupo de deputados do próprio Partido Conservador, no Governo, que deseja uma reabertura total da economia até ao final de Abril. A oposição interna pode dificultar a aprovação de medidas legislativas na próxima semana, diz o Guardian.

“Devemos sempre ser humildes perante a natureza e devemos ser cautelosos. Mas realmente acredito que o programa de vacinação mudou substancialmente as hipóteses a nosso favor”, acrescentou Boris Johnson.

A data escolhida para a reabertura das escolas coincide, segundo os responsáveis pela campanha de imunização, com a finalização da vacinação completa dos quatro grupos mais vulneráveis à covid-19.

O ministro responsável pela vacinação, Nadhim Zahawi, disse, em entrevista à Sky News, que não seria possível apresentar um plano para a reabertura das escolas se não houvesse a convicção por parte das autoridades britânicas de que “o programa está a começar a dar frutos”.

No domingo, o ministro da Saúde, Matt Hancock, disse que as “informações iniciais” mostram uma “redução na transmissão [do vírus SARS-CoV-2] entre as pessoas vacinadas”.

O plano apresentado por Johnson acaba com as diferenças entre regiões e aplica-se a toda a Inglaterra. Os governos da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte vão elaborar os seus próprios programas para a retoma das actividades.