Clima económico melhora na Alemanha apesar do confinamento

Confiança dos empresários subiu pela primeira vez desde o início do segundo confinamento, em Novembro, mas continua abaixo dos valores pré-pandemia.

Foto
A Alemanha vive sob confinamento desde Novembro, mas está a debater um alívio de restrições a partir de Março Reuters/FABIAN BIMMER

O índice de confiança empresarial na Alemanha, calculado pelo instituto de investigação económica IFO, em Munique, atingiu em Fevereiro o valor mais elevado desde Novembro de 2020, quando o país entrou de novo em confinamento.

Os alemães têm vindo a debater um alívio gradual das restrições em vigor. A equipa de gestão de crise da pandemia tinha reunião agendada para esta segunda-feira, mas não haverá decisão definitiva antes de 3 de Março, segundo a imprensa alemã​.

Algumas escolas primárias de algumas regiões retomam hoje a actividade lectiva presencial e pequenos negócios como os cabeleireiros estão a dias da reabertura, a 1 de Março. Mesmo sem desconfinamento marcado, o clima empresarial na maior economia da Europa melhorou nos últimos 30 dias, graças sobretudo ao empurrão de confiança vindo da indústria transformadora.

Foto
Hoje foi dia de regresso às aulas nas escolas primárias de algumas regiões alemãs Reuters

Segundo os dados divulgados nesta segunda-feira, o indicador de clima económico subiu para 92,4, atingindo o valor mais elevado em quatro meses, depois de em Janeiro se ter situado nos 90,3. O resultado supera a estimativa de analistas, que esperavam uma melhoria muito ligeira de apenas 0,2 pontos face a Janeiro, segundo indica a agência Reuters. Ainda assim, o resultado de Fevereiro de 2021 fica 3,3 pontos abaixo do registado em Janeiro de 2020, último mês antes de a pandemia se fazer sentir na Europa.

Para este resultado de agora, melhor do que o esperado, contribuíram melhorias em praticamente todos os sectores económicos, mas com especial relevância no da indústria transformadora, onde o índice de confiança IFO atingiu o valor mais alto desde 2018.

“O sentimento entre gestores na Alemanha melhorou de forma notável. A avaliação da actual situação das empresas foi mais positivo. Além disso, o pessimismo face aos próximos meses recuou de forma marcante”, comenta Clemens Fuest, presidente do IFO, numa apreciação geral.

No sector dos serviços, o indicador de clima económico também melhorou. A situação das empresas teve melhor avaliação do que em Janeiro e havia mais optimismo face aos próximos meses. Porém, pela primeira vez, há sinais de enormes cautelas da indústria do turismo face à próxima época de férias.

No sector do comércio, a confiança melhorou um pouco após a quebra em Janeiro. O pessimismo continua a reinar e a situação das empresas voltou a ter uma nota pior. As vendas caíram devido ao confinamento.

Por fim, na construção, as expectativas são mais optimistas, apesar de a situação das empresas ter obtido uma pontuação mais baixa. Isso ficou no entanto a dever-se a condições meteorológicas extremas, com muito frio, indica o IFO.

Segundo a edição online da revista Spiegel, Angela Merkel já terá dado sinais de que pretende aliviar restrições de forma gradual e “com muito cuidado". A peça-chave desse alívio é a realização em grande escala de testes. Citando fontes que participaram com Merkel numa reunião do partido da chanceler, a CDU (democratas-cristãos), a ideia seria avançar em três fases: contactos pessoais; ensino regular e escolas profissionais; grupos desportivos, restaurantes e cultura.

Foto

Em 2020, a economia alemã viveu o maior recuo desde a crise financeira de 2009. O Produto Interno Bruto (PIB) caiu 5%. O impacto da primeira vaga é o principal factor desta quebra histórica no PIB germânico, cujo clima económico caiu abruptamente em Março de 2020, mas começou a recuperar logo em Maio, mantendo-se nessa trajectória ascendente até Setembro. Porém, após cinco meses consecutivos a subir, a confiança voltou a descer em Outubro, graças ao impacto da segunda vaga, que atirou o país para um segundo confinamento em Novembro.

Segundo as estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI), o PIB alemão deve avançar 3,5% em 2021, empurrado pelo consumo privado e pelas exportações. Mas o desempenho destes dois factores depende fortemente da evolução da pandemia, razão pela qual o próprio FMI reviu em baixa as previsões feitas em Outubro para a economia alemã, tendo cortado na mais recente actualização das previsões uns 0,7 pontos percentuais na perspectiva de crescimento.

Nas últimas décadas, a indústria alemã, com grande pendor exportador, consolidou a sua importância económica. O sector transformador representa 26,8% do PIB (19,1%, sem a construção) e 27% do volume de emprego do país. A produção industrial recuou 10,8% em 2020, segundo números divulgados pela autoridade estatística nacional. A actividade foi muito penalizada na primeira fase da pandemia, com a quebra na produção a chegar aos aos 29,7% em Abril, mas o segundo semestre ficou marcado por uma recuperação que, ainda assim foi insuficiente para anular perdas. Em Dezembro de 2020, a produção industrial estava 1,5% abaixo do mês homólogo de 2019.

Em termos de exportações, a China ultrapassou a França no segundo lugar da lista dos maiores mercados exportadores das empresas alemãs, que continua a ter os EUA no primeiro lugar, mas com uma vantagem cada vez mais curta. A venda de bens alemães à China totalizou 96 mil milhões de euros, sensivelmente o mesmo que em 2019. Porém, as exportações para França caíram 15% no ano passado, justificando assim a troca de posições. 

O indicador de clima económico é obtido a partir das respostas mensais de cerca de 9000 gestores alemães, da indústria manufactureira, dos serviços, do comércio e da construção. É-lhes pedido que avaliem a situação da empresa e as perspectivas de negócio para os seis meses seguintes. O valor do índice resulta do cálculo das diferenças percentuais entre avaliações positivas e negativas, comparado com a média de 2015, cujos valores servem de referência.