Covid-19: Fauci diz que norte-americanos podem precisar de usar máscaras até 2022

O especialista acredita ser possível retomar algum “grau de normalidade” – apesar de isso estar dependente do que “se quer dizer com normalidade”. “Se com normalidade se referem à forma como tudo estava antes de isto nos acontecer, não posso prever isso”, afirmou.

Foto
Reuters/POOL

É provável que os norte-americanos continuem a ter de usar máscaras em 2022, defendeu Anthony Fauci, especialista em doenças infecciosas, este domingo, em entrevista à CNN. O país começa, agora, a aliviar algumas restrições impostas pela covid-19, mas o uso da máscara não será uma das primeiras.

Embora as taxas diárias de infecção estejam a diminuir drasticamente, milhares de norte-americanos continuam a morrer diariamente devido ao vírus, e menos de 15% da população dos EUA foi vacinada. 

O Presidente Joe Biden está a tentar acelerar a campanha de vacinação, com os governos locais a pedir cada vez mais doses da vacina que previne a doença que já matou quase meio milhão de pessoas nos EUA.

Fauci, o principal conselheiro de Biden para os assuntos relacionados com o combate à pandemia, disse à CNN que o país se aproxima de “um marco terrível na história deste país”, com os seus quase 500.000 óbitos.

“Não vemos nada assim há mais de 100 anos, desde a pandemia de 1918”, disse Fauci. "Isto é algo que ficará para a história. Nas próximas décadas, as pessoas continuarão a falar deste momento em que tanta gente morreu”, acrescentou o imunologista.

Questionado sobre se os norte-americanos se deviam preparar para continuar usar máscaras no próximo ano, Fauci disse ser “possível que seja esse o caso”, acrescentando que dependia do nível do vírus nas comunidades e das potenciais variantes do vírus.

O especialista acredita ser possível retomar algum “grau de normalidade” – apesar de isso estar dependente do que “se quer dizer com normalidade”. “Se com normalidade se referem à forma como tudo estava antes de isto nos acontecer, não posso prever isso. Claro que acho que vamos ter um grau significativo de normalidade, para além do fardo horrível com que todos nós arcamos ao longo deste último ano.”

“Quando chegarmos ao Outono e Inverno, perto do fim do ano, concordo completamente [com o Presidente Biden], porque poderemos estar a chegar a um nível de normalidade”, afirmou. Joe Biden tinha referido, num discurso recente, que esperava que o Natal de 2021 fosse diferente do de 2020. 

Numa entrevista no programa Meet the Press da NBC, Fauci disse que ainda era demasiado cedo para dizer quando os Estados Unidos poderiam chegar à desejada imunidade de grupo. “Queremos estar em níveis realmente baixos antes de começarmos a pensar que estamos fora de perigo”, sublinhou.

No programa Fox News Sunday, o especialista afirmou que é provável que os norte-americanos precisem de um reforço da vacina, consoante o rumo que tomar a variante sul-africana.

As vacinas que existem actualmente parecem proteger contra a variante inicialmente encontrada no Reino Unido, mas os dados disponíveis até agora apontam para que tenham uma protecção menor frente à variante sul-africana, que não é dominante nos EUA.

“Se de facto isto se tornar dominante, talvez tenhamos de obter uma outra versão da vacina, que seja dirigida especificamente contra a variante sul-africano”, disse Fauci à Fox, acrescentando que já existem avaliações em curso.