O Feito com Alma quer ser uma montra para quem “põe a mão na massa”

Em plena pandemia, o site Feito com Alma, criado por Mafalda Matias e Miguel Ferrão, quer promover os produtores e profissionais mais pequenos, apresentando a sua história. Aqui, “tudo é feito com dedicação” e não há “produtos industrializados”.

Foto

O Feito com Alma nasceu com o mesmo propósito que uniu Mafalda Matias, consultora de marketing de 29 anos, e Miguel Ferrão, gestor de frotas com 39 anos: ajudar a valorizar os produtores e os comerciantes únicos, que “põem a mão na massa”. Com a pandemia, muitos produtores tiveram de fechar as tuas lojas físicas, ficando assim impedidos de vender os seus produtos e, para muitos, o site Feito com Alma foi uma porta para que pudessem continuar a sua rotina.

Os dois amigos conheceram-se nos escuteiros da Sertã, em Castelo Branco, e logo perceberam que queriam criar um projecto que “fizesse a diferença”. “Eu fui chefe da Mafalda e desde logo percebi que ela complementava o meu pensamento”, conta Miguel. Concluíram que “não existia um site onde se pudesse encomendar um produto ou um serviço e realmente se conhecesse a pessoa que estava por detrás desse trabalho”, explica Mafalda. 

E é aqui que o Feito com Alma é diferente. “No nosso site e no nosso trabalho existe na valorização da pessoa e do seu produto. O cliente sabe o nome do produtor, a sua história e como é o que o produto é feito, tendo a garantia que tudo é feito com dedicação e que não é um produto industrializado”, ressalva a criadora. No fundo, é um catálogo em que se pode perceber o que torna um produto valioso.

Produtores e profissionais

O Feito com Alma tem, por agora, dois tipos de ofertas: os produtores e os profissionais. Os produtores são todos os comerciantes e criadores de peças únicas “que podem vender um produto local (característico de uma determinada região), um produto artesanal (feito à mão) ou um produto considerado original – uma peça que não é 100% produzida à mão, mas com um toque único do produtor, por exemplo, o trabalhar do vidro ou o estampar de uma camisola”, explicam os fundadores.

A outra vertente são os profissionais que podem usar o site para mostrar que tipo de serviços oferecem, detalhar os procedimentos e combinar com o cliente a melhor abordagem para o trabalho. Como uma “uma montra das diversas opções que existem”, explica Mafalda, um pouco à imagem de outros portais de contratação de serviços.

Foto
Os criadores Mafalda Matias e Miguel Ferrão dr

Assim, tanto se podem conhecer as obras da pintora e ilustradora Mirjam Siim, como a actividade da copywriter Cátia Aguilar ou os treinos da personal trainer Susana Trigo. Qualquer pessoa pode inscrever-se para aderir à plataforma, independentemente da sua área de actividade ou da sua localização, seja produtor ou profissional. Basta submeter a sua história e pagar um valor (entre os 10 e os 39 euros) para figurar no portal, dando a conhecer o seu trabalho, se for seleccionado.

A pandemia “acelerou o processo de criação do site”, que surgiu em Outubro de 2020. “Na verdade, ainda temos muitas ideias para colocar em prática”, explica Miguel. Tinham planeado “colocar cartões-de-visita em comércios locais mais pequenos e espalhar a mensagem pelos produtores”, mas o confinamento impediu-o. Lá chegarão. Num futuro próximo, Mafalda e Miguel gostavam de abrir o site ao mercado internacional.