Harry e Meghan cortam os últimos laços com a família real britânica

Casal informou a rainha que não voltará a exercer funções ao serviço da monarquia. Enquanto isso, a monarca prepara-se para o que será revelado numa entrevista a Harry e Meghan, que irá ser transmitida daqui a duas semanas.

Foto
Reuters/HANNAH MCKAY

O príncipe Harry e Meghan Markle terão cortado os últimos laços que ainda os uniam à família real britânica, depois de terem informado a rainha Isabel II de que não regressarão como membros activos da monarquia, informou o Palácio de Buckingham, esta sexta-feira, citado pela Reuters. O anúncio surge dias depois de ser conhecida a transmissão de uma entrevista do casal à apresentadora norte-americana Oprah, prevista para 7 de Março.

Nos últimos dois anos, não tem havido forma de contornar a popularidade do casal: sempre que há uma notícia a envolvê-lo, tudo o resto sai ofuscado, como terá acontecido com o casamento de Eugenie, dia em que os duques anunciaram a primeira gravidez, roubando à filha mais nova do príncipe André o protagonismo que se deseja a uma noiva.

Agora, voltou a acontecer. O nascimento do primogénito de Eugenie, a 9 de Fevereiro, passou para segundo plano (já nem sequer há muita gente curiosa sobre o nome do petiz) depois de Harry e Meghan terem revelado que Archie será em breve um irmão mais velho – até os pés descalços do filho mais novo de Carlos, na fotografia que o casal divulgou, foram mote para exaustivos textos nos tablóides britânicos. E nem mesmo a notícia da hospitalização do príncipe Filipe, de 99 anos, resistiu muito tempo nas manchetes quando foi confrontada com o anúncio de uma entrevista que o casal deu em exclusivo à estrela da TV americana Oprah Winfrey, com quem tem uma relação de amizade.

Segundo a nota de imprensa da CBS, “[Oprah] Winfrey falará com Meghan, a duquesa de Sussex, numa ampla entrevista, cobrindo tudo, desde a entrada na vida como realeza, o casamento, a maternidade, o trabalho filantrópico até à forma como está a lidar com a vida sob uma intensa pressão pública”. “Mais tarde, o príncipe Harry juntar-se-á às duas” para falarem sobre a “mudança para os Estados Unidos” e sobre “os sonhos futuros”.

Comprometidos com a causa

A notícia da entrevista pôs a família real num rebuliço e, de imediato, a rainha terá accionado os seus assessores para criar um gabinete de crise para lidar com o que se prepara para ser revelado, a 7 de Março, no horário nobre da CBS. Como “castigo”, o Palácio fez saber que as nomeações militares honorárias (algo que ferirá particularmente Harry, que cumpriu duas missões no Afeganistão) e os patrocínios reais dos dois terão de ser devolvidos à monarca.

Neste contexto, o Palácio de Buckingham informa que “o duque e a duquesa de Sussex confirmaram a sua majestade a rainha que não regressarão como membros activos da família real”. Na declaração, publicada no site oficial da realeza, lê-se que “a rainha escreveu confirmando que ao afastar-se do trabalho da família real, não é possível continuar com as responsabilidades e deveres que vêm com uma vida de serviço público”, notando “a tristeza da decisão”, mas ressalvando que Harry e Meghan “continuam a ser membros muito queridos da família”.

O anúncio, esclarece o palácio, surge no âmbito do acordo estabelecido há um ano, quando os duques decidiram deixar de ser membros activos da família, que previa uma revisão dos parâmetros ao fim de 12 meses. O comunicado dá conta que a resolução foi tomada “após conversas entre o duque de Sussex e membros da família real”. 

No entanto, um porta-voz da dupla fez saber que Harry e Meghan se mantêm comprometidos com a causa real: “Como evidenciado pelo seu trabalho no ano passado, o duque e a duquesa de Sussex continuam empenhados no seu dever e serviço ao Reino Unido e ao redor do mundo, e ofereceram o seu apoio contínuo às organizações que têm representado independentemente do papel oficial”.

Fantasmas do passado

Quem também estará preocupado com a entrevista do casal a Oprah é o príncipe William, segundo na linha de sucessão ao trono. Segundo disse uma fonte ao Page Six, a notícia despertou memórias menos boas em William referentes à polémica entrevista que a princesa Diana deu ào programa Panorama da BBC, em 1995, na qual confirmou que “havia três” pessoas no seu casamento, identificando Camila Parker Bowles como amante do príncipe Carlos. Dez anos depois, Carlos casaria com Camila, tornando-a duquesa da Cornualha. Um casamento no qual a rainha não marcou presença.

O desassossego de William e da restante família não pode ser visto como um exagero se se tiver em conta o resultado de várias entrevistas a diversos elementos da monarquia britânica ao longo dos anos. Além da referida à princesa Diana, houve ainda uma entrevista a Carlos, em que este confessou a sua infidelidade, e, mais recentemente, o príncipe André acabou por meter os pés pelas mãos ao defender a sua amizade com Jeffrey Epstein, o milionário envolvido num escândalo de tráfico sexual, que entretanto se suicidou no cárcere, o que conduziu à sua retirada dos deveres reais.