Ritmo de vacinação em Portugal atingiu novo máximo

Média móvel a sete dias atingiu 18.206 doses diárias administradas. Coordenador do plano, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, diz que país tem capacidade de aumentar estes números, mas que o fornecimento de vacinas a Portugal ditará o ritmo de vacinação.

Foto
Ritmo de vacinação atingiu novo máximo este domingo Daniel Rocha/Arquivo

O ritmo de administração de doses da vacina contra a covid-19 atingiu, contabilizado o dia de sábado, um novo máximo desde que o país iniciou o processo de vacinação. Os dados mais recentes mostram que Portugal está a administrar cerca de 18.206 doses por dia.

Para o responsável pelo plano de vacinação para a covid-19, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, o facto de existir um aproveitamento total das doses que chegam ao país – acautelando “uma reserva de segurança para garantir a segunda dose” – é um dos indicadores que mostra o sucesso desta operação. Em declarações ao PÚBLICO, o responsável garante que o país tem capacidade para aumentar o número diário de pessoas vacinadas, algo que depende fortemente do ritmo de chegada de doses ao país. Há dias, António Costa disse que o mês de Março veria a chegar a Portugal menos de metade das doses inicialmente previstas.

PÚBLICO -
Aumentar

Questionado sobre as recentes quebras nas cadeias de abastecimento das vacinas, o vice-almirante não escondeu alguma frustração, mas garantiu a capacidade de adaptação da taskforce da Direcção-Geral da Saúde. “Claro que frustram. De qualquer maneira temos de trabalhar com os dados que temos. Não nos adianta chorar sobre leite derramado, temos de nos adaptar”, acrescentou.

De acordo com os números que o PÚBLICO tem vindo a recolher a partir do site do SNS, a média móvel a sete dias do número diário de doses administradas atingiu o valor máximo desde o início da campanha de vacinação. Depois da marca das 15.940 doses ter sido atingida no dia 23 de Janeiro, o número de doses administradas tinha vindo a recuar para níveis semelhantes aos registados no início do mês de Janeiro. Um valor que tem retomado uma trajectória ascendente desde o dia 9 de Fevereiro.

Contas feitas, até às 0h deste domingo, já tinham sido administradas 523.349 doses deste fármaco. Cerca de 3,22% da população portuguesa já recebeu pelo menos uma dose da vacina e 1,91% já completou o processo de vacinação.

Apesar de a média móvel a sete dias só ter atingido o máximo histórico de 18.206 doses por dia este sábado, o máximo diário de doses administradas foi atingido na sexta-feira. Entre a meia-noite de sexta-feira e a meia-noite de sábado foram administradas 37.052 doses. Nunca este número tinha sido tão elevado desde que o Governo português passou a facultar dados diários de doses administradas.

Se considerarmos a meta de conseguir 70% da população adulta vacinada até ao final do Verão - no fundo, 13.657.142 doses necessárias, se considerarmos que todas as vacinas exigem duas doses - e subtrairmos a este número as doses que já foram administradas, Portugal precisaria de estar a administrar 59.699 doses por dia para atingir esta meta no dia 22 de Setembro de 2021. Um valor que parece ainda distante das 18.206 registadas agora, mas que, para o vice-almirante Gouveia e Melo, é um número bastante razoável, dadas as opções que o país poderá adoptar para atingir esse objectivo.

“Vamos usar os centros de saúde com capacidade para vacinar. São mais de 900 no país e conseguem administrar para lá das 50 mil vacinas dia. Quando isso se superar, podemos ainda estender os horários de vacinação dos centros de saúde, incluindo fins-de-semana. Usando a mesma estrutura ascendemos para cerca de 80 mil vacinas por dia. Quando essa capacidade estiver a esgotar-se, podemos pedir que os grandes hospitais dos centros urbanos façam também o processo de vacinação ao fim-de-semana, aumentando para cerca de 100 mil por dia. Depois temos postos de vacinação rápida ao fim-de-semana – podem ser drive-thru ou ‘tipo Coliseu’. Com esse aumento, passamos para 120 mil pessoas por dia. Depois, se for necessário ainda, acrescentamos as farmácias [ao processo]. Há mais de quatro mil farmácias: mesmo que sejam só mil farmácias a vacinar dez pessoas por dia, já são dez mil pessoas”, detalha Gouveia e Melo.

Nota: O Governo português só passou a divulgar dados diários de doses administradas desde o dia 27 de Janeiro. Para os outros dias, o PÚBLICO dividiu a diferença de doses pelo número de dias entre o intervalo de tempo em que não foram divulgados dados. Ou seja, se há uma diferença de 1000 doses entre dois dias, assume-se que em cada um dos dias foram administradas 500 doses.