Alargamento da ADSE “tem omissões importantes” e deve incluir empresas municipais

Parecer do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE defende que devem também ser abrangidas todas as instituições de ensino superior e os hospitais de Loures e Cascais. Inclusão do Banco de Portugal coloca dúvidas.

Foto
João Proença, presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE Nuno Ferreira Santos

O Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da ADSE considera que a lista de entidades incluídas no alargamento do sistema de protecção na doença da função pública a novos beneficiários “tem omissões importantes” e “deve ser corrigida”, para incluir as empresas municipais, os hospitais de Cascais e de Loures e todas as universidades, politécnicos e outras instituições de ensino superior. Esta é a principal conclusão do parecer aprovado na quinta-feira por unanimidade, com excepção do ponto relativo às empresas municipais que teve o voto contra dos dois representantes do Ministério das Finanças.