Por uma pista de dança mais justa

O colectivo Piso Justo está a tentar mapear os contextos sociais e laborais dos DJ em Portugal. O objectivo é unir esta classe profissional e reivindicar condições de trabalho menos precárias.

Foto
andré rodrigues

Os movimentos de reivindicação e união laboral na cultura continuam a alastrar e a envolver cada vez mais profissionais de diferentes áreas. Desta vez, são os DJ que estão a mobilizar-se: o Piso Justo é um grupo informal, anónimo e autónomo que se constituiu recentemente para mapear, em Portugal, as condições de trabalho desta actividade, uma das mais afectadas pela crise pandémica – e já parece ser consensual que uma retoma integral dos clubes e bares só poderá acontecer quando a maioria da população estiver vacinada contra a covid-19.