Líder do CDS apela a paz interna, Mesquita Nunes desiste de forçar congresso

Moção de confiança à direcção foi aprovada com margem curta. Francisco Rodrigues dos Santos pede mobilização para as autárquicas

Foto
Francisco Rodrigues dos Santos disse saber ler as críticas mas quer pôr fim às querelas internas LUSA/ANTÓNIO COTRIM

A pergunta ecoa no CDS: Que capital político conseguiram granjear os críticos da direcção – e com que prazo – depois de Francisco Rodrigues dos Santos passar o teste da moção de confiança por uma margem pouco folgada? Adolfo Mesquita Nunes refreia os ânimos dos que o apoiaram no desafio ao congresso antecipado: respeita os resultados do conselho nacional e promete empenhar-se nas eleições autárquicas. É também para essas eleições que o líder do CDS apela à mobilização dos militantes. Recusando uma “vitória poucochinho”, Francisco Rodrigues pede, sobretudo, paz interna.

Na madrugada deste domingo, ao fim de 16 horas de um conselho nacional intenso, a moção de confiança à comissão política nacional do CDS foi aprovada por 144 (54,4%) votos a favor, 113 contra e oito abstenções num universo de 265 votantes. A margem de 31 votos é vista como uma derrota com sabor a vitória pelos críticos mas tem um gosto especial para os apoiantes da direcção: realizou-se por escrutínio secreto.

Logo depois de anunciados os resultados do conselho nacional, que decorreu por videoconferência, Adolfo Mesquita Nunes reforçou os seus argumentos que sustentaram o pedido de congresso antecipado e disputa de liderança. “Fiz aquilo que a consciência me ditava: alertar o partido para uma crise de sobrevivência”, escreveu no Facebook. O ex-vice-presidente do CDS assumiu respeitar o resultado e apontou o seu rumo: “Agora há eleições autárquicas e nelas estarei empenhado na minha terra [Covilhã]”.

Ficou o recado para os que pretendiam forçar um congresso antecipado reunindo quatro mil assinaturas. Esgotou-se a janela temporal para a realização de um congresso extraordinário tendo em conta o calendário das eleições autárquicas. Logo a seguir volta a abrir-se espaço para a reunião magna. E o assumido candidato à liderança, se houvesse congresso já, volta a apresentar-se? Só a avaliação do estado do partido nessa altura permitirá tomar uma decisão. Essa tem sido a argumentação de Mesquita Nunes: só será candidato à liderança se o partido for salvável.

João Almeida, outro dos defensores do congresso antecipado (uma tese aliás sustentada pelos cinco deputados do CDS), escusou-se a fazer interpretações sobre os resultados da moção e assumiu que estará concentrado noutras causas. “Estou focado no trabalho do Parlamento e nas autárquicas. Estou disponível para ser candidato como fui em anteriores eleições”, disse ao PÚBLICO. O deputado costuma concorrer a órgãos municipais em São João da Madeira (Aveiro), a sua terra natal. Nesta reunião do conselho nacional, as eleições autárquicas serviram como arma de arremesso entre os defensores do congresso antecipado e os da direcção.

Com o objectivo de “manter as seis câmaras” e aumentar o número de mandatos, Francisco Rodrigues dos Santos pediu a mobilização dos militantes para as autárquicas em coligação ou listas próprias. Numa intervenção no final do conselho nacional, o líder do CDS disse que saberá “ler os contributos e as críticas” que foi ouvindo, comprometeu-se com um encontro com Mesquita Nunes e deixou um apelo: “Quero pedir-vos que o nosso partido possa beneficiar, finalmente, de um clima de paz interna sem querelas”. É o desejo de um ponto final, depois de um conselho nacional tenso mesmo já nos momentos finais quando a percepção era já a da vitória da direcção. A porta-voz, Cecília Anacoreta Correia, pediu “mandato reforçado” aos conselheiros nacionais e atacou directamente Adolfo Mesquita Nunes ao dizer que quem “executou uma linha política e perdeu 13 deputados não é um salvador da pátria”. 

Ao longo da noite, outras vozes da direcção vieram tentar contrariar a tese do congresso defendida, entretanto, pelo actual e antigos líderes parlamentares (Telmo Correia e Nuno Magalhães), e pelo ex-deputado Hélder Amaral. Fernando de Almeida, vice-presidente da distrital de Aveiro, fez uma intervenção dura, acusando os apoiantes de Adolfo Mesquita Nunes de “gravitarem à volta do partido” e se acharem “donos” do CDS.

Depois de a deputada Cecília Meireles dizer que “o partido está em risco”, Fernando de Almeida voltou a sugerir que a parlamentar abdicasse do cargo para permitir a entrada do líder do CDS: “Se o partido está em risco, dê lugar a Francisco Rodrigues dos Santos”.

O pedido para “rolarem cabeças” e a realização de um congresso extraordinário antecipado é uma “irresponsabilidade” em ano de eleições locais, atirou o coordenador autárquico nacional. Fernando Barbosa, que também lidera a distrital do Porto, adiantou que as deslocações nesse âmbito estão a ser feitas “do seu bolso”.

Mais uma vez, a situação financeira do CDS foi exposta como uma das fragilidades a ter em conta. O secretário-geral, Francisco Tavares, traçou um retrato da herança deixada pela anterior direcção: o passivo de 1,2 milhões de euros, ameaças de execução, carros na oficina sem pneus, dívidas a fornecedores e aos CTT, que impedia o simples envio de cartas. Um partido “totalmente desfraldado”, nas suas palavras. Agora, o CDS tem de obter financiamento para a campanha autárquica.