Portugal e os pequenos passos para uma tributação “justa” na Europa

Presidência portuguesa quer “criar condições” para um acordo sobre a directiva que obrigará as multinacionais a divulgar os impostos pagos em todos os países. Restantes metas fiscais são vagas.

Foto
Lisboa tem a Presidência do Conselho da UE até ao fim de Junho Rui Gaudêncio

Portugal elegeu seis prioridades a nível fiscal para os seis meses da Presidência do Conselho da União Europeia (UE), mas só identificou uma ambição concreta: gizar um acordo político entre os governos para dar luz verde a uma famosa directiva europeia que obrigará as multinacionais a tornar públicos os lucros obtidos e os impostos pagos em cada país onde estejam presentes, dentro e fora da União.

Sugerir correcção
Comentar