Nova participa em projecto europeu de combate à pobreza energética

O Cense – FCT Nova será uma das entidades que ajudará a desenvolver junto dos municípios europeus as políticas de Bruxelas de eficiência energética e combate à pobreza energética.

Foto
Estima-se que existam cerca de 50 milhões de europeus em situação de pobreza energética Adriano Miranda / PUBLICO

Há uma mudança na estratégia europeia de combate à pobreza energética, em que se vai “passar da observação à acção” e o CENSE (Center for Environmental and Sustainability Research) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova Lisboa (FCT Nova) será uma das entidades que estará no terreno nessa nova abordagem, prestando consultoria à Comissão Europeia, explicou ao PÚBLICO o investigador João Pedro Gouveia.

“Seremos uma espécie de braço armado de consultoria da Comissão para apoiar as políticas europeias”, disse o investigador do Cense, um dos cinco parceiros que integram o projecto EPAH - Energy Poverty Advisory Hub, financiado por Bruxelas, que vai actuar junto dos municípios, pelo menos até 2025, para ajudar a erradicar um problema que se calcula que afecte mais de 50 milhões de europeus.

Há quatro anos foi criado, em parceria com a Comissão, um site que era o Observatório Europeu de Pobreza Energética. “Tendo acabado o contrato com esse consórcio, a Comissão lançou novo concurso no ano passado e o observatório deixará de ser observatório, porque já estamos fartos de observar e vamos passar à acção”, explicou João Pedro Gouveia.

Este pólo de consultoria será coordenado pela Climate Alliance e formado pelo Cense – FCT Nova, Ecoserveis (Espanha), Aisfor (Itália) e Akaryon (Alemanha).

“Nessa lógica de eficiência energética e de combate à pobreza energética, vamos passar a fazer projectos com uma rede internacional de parceiros que agregamos e trabalhar com os municípios directamente”, resumiu.

O EPAH conta abrir três concursos nos próximos quatro anos, aos quais os municípios europeus podem concorrer e “dizer o que precisam”. O papel do EPAH será então o de “fazer uma ligação com os parceiros nos diferentes países para desenvolverem os projectos e apoiarem os municípios” nesses objectivos.

“Ao deixar de estar na observação e ao passar à acção, vamos ajudar os municípios a desenvolverem políticas locais e a conhecer melhor a realidade da pobreza energética”, refere o investigador.

Toda esta estratégia de aconselhamento técnico às autarquias “está ligada com a vaga de renovação de edifícios” anunciada em Outubro por Bruxelas, que se pretende que seja, em simultâneo, um trunfo no combate à pobreza energética, um instrumento para poupar energia e descarbonizar consumos e ainda um catalisador da actividade económica e da criação de emprego.

A Comissão Europeia quer renovar 35 milhões de edifícios até 2030 e acredita que a estratégia para melhorar o desempenho energético do parque pode criar cerca de 160 mil novos empregos “verdes” na construção por toda a Europa.

Segundo o Governo português, há 620 milhões de euros do Plano de Recuperação e Resiliência destinados à melhoria do desempenho energético dos edifícios portugueses, dos quais cerca de 300 milhões se destinam ao segmento residencial.