“Não foi preciso bater no homem porque ele já estava numa posição de fragilidade”, defende-se inspector do SEF

Inspectores do SEF foram “bodes expiatórios” sem direito a “presunção de inocência”, diz defesa. Julgamento decorre em Lisboa, quase um ano depois da morte de Ihor Homenyuk no centro do aeroporto de Lisboa.

servico-estrangeiros-fronteiras,aeroporto-lisboa,imigracao,sociedade,crime,justica,
Fotogaleria
Inspector Bruno Sousa, arguido, a chegar ao tribunal daniel rocha
servico-estrangeiros-fronteiras,aeroporto-lisboa,imigracao,sociedade,crime,justica,
Fotogaleria
O arguido Luís Silva a chegar ao tribunal com o advogado LUSA/ANTÓNIO COTRIM
servico-estrangeiros-fronteiras,aeroporto-lisboa,imigracao,sociedade,crime,justica,
Fotogaleria
O arguido Duarte Laja com o advogado LUSA/ANTÓNIO COTRIM

Chegaram ao tribunal pelo seu pé, sem escolta policial, apesar de estarem em prisão domiciliária, confundindo-se com as dezenas de pessoas à porta do Tribunal Criminal de Lisboa, no Campus de Justiça, a maioria jornalistas. Os três inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), acusados do homicídio de Ihor Homenyuk no dia 12 de Março no centro de instalação temporária (CIT) do aeroporto, ficaram sentados no banco reservado aos arguidos, lado a lado, mas com a distância de segurança. Foi a primeira vez que falaram desde que a 30 de Março ficaram em prisão preventiva.