O Festival de Roterdão faz a festa dos 50 anos sem sair de casa

Há um ano, abria com um filme português, Mosquito. Este ano, o certame que ajudou a revelar Hong Sang-soo ou Christopher Nolan celebra as bodas de ouro com uma programação fiel ao seu historial – e inteiramente online.

Foto
A edição 50 do Festival de Roterdão vai decorrer em duas tranches: Fevereiro e Junho IFFR

Cinquenta anos é um número bonito para um festival de cinema. E o de Roterdão celebra em 2021 as suas “bodas de ouro”, com uma edição que traz uma nova direcção – encabeçada pela programadora Vanja Kaludjercic. Mas no ano 1 depois do vírus, a que a edição de 2020 escapou por um triz, o recente confinamento decretado pelo governo dos Países Baixos fez desabar a trovoada sobre a festa. Que vai acontecer na mesma – porém exclusivamente online na primeira “tranche”, que corre desta segunda-feira até domingo –, porque 50 anos só se fazem uma vez, e ainda por cima o programa competitivo é bem interessante.

Há um ano, Portugal teve honras de abertura do festival com Mosquito, de João Nuno Pinto, que iniciou na cidade holandesa um impressionante périplo internacional, e esteve também presente através da co-produção luso-brasileira Um Animal Amarelo, de Felipe Bragança. Nesta edição número 50, regista-se uma única presença portuguesa – a curta-metragem de Catarina de Sousa e Nick Tyson Tracing Utopia, odisseia documental pelo imaginário queer de um grupo de jovens nova-iorquinos –, seleccionada para a competição oficial de curtas-metragens Ammodo Short Tiger. Será, aliás, nas competições que Roterdão se concentrará ao longo desta semana – a principal das quais, a Tiger Competition, aberta exclusivamente a primeiras, segundas e terceiras obras, serviu de “porta de entrada” para cineastas como Kelly Reichardt (que é também uma das homenageadas de 2021), Hong Sang-soo, Lou Ye, Pablo Trapero ou Christopher Nolan (cuja primeira longa-metragem, Following, foi apresentada a concurso no festival). 

Foto
Tracing Utopia, de Catarina de Sousa e Nick Tyson, é a única obra portuguesa a concurso DR

É uma marca registada de Roterdão desde que o festival foi fundado em 1972 pelo truculento bon vivant cinéfilo e programador Huub Bals (1937-1988): a aposta em novos cineastas, a par de uma atenção especial ao cinema de autor e a cinematografias pouco divulgadas (ficaram célebres as suas boutades: “o cinema americano está moribundo” ou “os mestres do cinema de amanhã virão do terceiro mundo”). Bals, fumador inveterado, apreciador do bom álcool e viajante incansável, morreu de ataque cardíaco aos 51 anos, mas Roterdão conseguira entretanto impor-se como um local de descoberta de novos filmes; através do Fundo Hubert Bals, o festival apoia anualmente a produção de cinema em África, na América Latina, na Ásia e no Médio Oriente, tendo aberto as portas a nomes como o tailandês Apichatpong Weerasethakul (cujo O Tio Boonmee que se Lembra das Suas Vidas Anteriores venceu a Palma de Ouro de Cannes em 2010) ou o iraniano Mohammad Rasoulof (Urso de Ouro de Berlim em 2020 por O Mal Não Existe). 

Um espírito de abertura

Todo este espírito de abertura é confirmado pela programação competitiva de Roterdão 2021, que continua a ser um espaço disposto à experimentação formal (não esqueçamos afinal que, em 2019, o festival dedicou uma retrospectiva ao nosso Edgar Pêra…). Numa selecção cujas linhas temáticas principais parecem ser a memória e o sonho, em alguns casos paredes-meias com o cinema de género, destacam-se uma fortíssima presença brasileira, com a extraordinária estreia de Madiano Marchetti, Madalena, e Carro Rei, o novo filme de Renata Pinheiro (Amor, Plástico e Barulho); e um grande número de produções orientais, encabeçadas pelo surreal road movie onírico da chinesa Queena Li, Bipolar, e pela adaptação de Shakespeare pelos taiwaneses Chen Hung-I e Muni Wei, As We Like It.

Madalena, de Madiano Marchetti DR
Carro Rei, de Renata Pinheiro DR
Bipolar, de Queena Li DR
Fotogaleria
DR

Apesar de terem ainda sido pensadas algumas sessões públicas, face à actual situação sanitária na Holanda o festival decorrerá exclusivamente nas plataformas digitais, que foram trabalhadas para replicar a experiência de acompanhar o certame fisicamente. É possível marcar bilhetes online para a estreia dos filmes em tempo real, que será acompanhada por sessões virtuais de perguntas e respostas com os realizadores. Mas cada filme ou programa apenas pode ser visualizado durante 72 horas e unicamente dentro do território holandês. Para a segunda leva, presencial e a decorrer de 2 a 6 de Junho – coincidindo com as datas da primeira edição em 1972, e nas quais se espera já haver luz verde para sessões públicas –, ficam reservadas as retrospectivas comemorativas dos 50 anos e as secções paralelas. 

É um risco, sabemo-lo, fazer um festival inteiramente online, e não são poucos os que, ao longo dos últimos meses, testaram a experiência sem terem ficado inteiramente convencidos. Também não é impossível realizar um festival físico com as limitações da pandemia  Veneza 2020 provou-o – mas, perante a evidência de que a covid-19 está ainda longe de controlada, essa possibilidade ficou fora de questão. Num momento em que Cannes já adiou para Julho a sua edição de 2021 e Berlim apenas confirmou até ao momento as actividades de indústria (a decorrer inteiramente online em Março)a opção de Roterdão acompanhou a do festival americano de Sundance, não deixando passar as bodas de ouro em branco e fazendo a festa, para já, nas redes. Que a festa seja bonita, é o que desejamos.