Conselho da UE conclui que não há razões para alterar nomeação do procurador europeu

Na avaliação dos serviços jurídicos, os erros factuais numa carta sobre o currículo de José Guerra “não afectaram a escolha e a substância da decisão” do Conselho.

Foto
Francisca van Dunem voltou a dar explicações em Bruxelas LUSA/ANTÓNIO COTRIM

O Conselho da União Europeia deu por encerrada a polémica sobre a nomeação do procurador europeu, José Guerra, considerando não existirem razões para alterar a sua escolha para o cargo em detrimento da candidata portuguesa preferida pelo júri internacional, Ana Carla Almeida, que tinha pedido esclarecimentos sobre os fundamentos dessa decisão.