Merkel diz que a UE não deve ser forçada a escolher entre China ou EUA

Chanceler alemã diz que “concorda” com Xi na defesa de uma abordagem multilateralista de relações internacionais, mas deixa críticas ao gigante asiático.

Foto
Chanceler da Alemanha participou na edição deste ano do Fórum Económico Mundial, que se realiza por videoconferência SALVATORE DI NOLFI/EPA

Angela Merkel defendeu na terça-feira que a União Europeia e outros países do mundo não devem ser forçados a uma escolha absoluta entre os Estados Unidos ou a China nas suas relações internacionais.

Numa intervenção por videoconferência, no Fórum Económico Mundial de Davos, a chanceler alemã criticou a organização da ordem mundial por blocos e disse concordar com a posição multilateralista assumida, na véspera, pelo Presidente da República Popular da China, Xi Jinping.

“Gostaria muito de evitar a construção de blocos. Não acho que faça sentido para muitas sociedades que venhamos aqui dizer que ‘aqui estão os Estados Unidos e ali está a China’, e que nos vamos agrupar em redor de um ou de outro. Do meu ponto de vista, não é assim que as coisas devem ser”, afirmou Merkel.

“O Presidente chinês falou ontem e ele e eu concordamos sobre esta matéria. Vemos uma necessidade de multilateralismo”, acrescentou a chanceler, citada pelo site Politico.

Ainda assim, Merkel não deixou de criticar a forma como a China exerce a sua influência e o seu poder nas relações com outros países e de pôr em causa a interpretação que faz dos tratados e valores internacionais.

“Há uma questão em que não estamos totalmente de acordo: a questão sobre o que é que significa ter diferentes modelos sociais. Quando é que começa a interferência e quando é que acaba? Onde nos colocamos em relação a valores elementares que são indivisíveis?”, questionou a líder alemã.

“A China comprometeu-se com tratados internacionais e precisamos de resolver, de uma vez por todas, as diferenças de interpretação”, atirou. “Precisamos de saber até que ponto o comércio ainda está a ser feito sob regras globais ou se está a ser favorecido por práticas inaceitáveis”.

Ainda no capítulo das relações económicas, a chanceler alemã aproveitou a ocasião para se declarar “muito satisfeita” com o acordo de princípio sobre investimentos entre os 27 e a China, fechado nos últimos dias da presidência alemã da UE e durante a transição de poder entre Donald Trump e Joe Biden, nos EUA.

Por fim, Angela Merkel denunciou a falta de transparência de Pequim quando foram detectados os primeiros casos de covid-19, em Wuhan, no final de 2019.