Biden restaura outra normalidade: o regresso dos cães à Casa Branca

Depois de Trump interromper uma tradição com mais de 100 anos, Champ e Major já se instalaram na sua residência oficial. E os “primeiros cães” parecem confortáveis.

Foto
DR

Champ e Major já se instalaram no seu novo lar — a Casa Branca. A chegada dos dois pastores alemães, um deles adoptado, marca o regresso de uma longa tradição: o som de patas na propriedade de sete hectares que é a residência do presidente dos Estados Unidos da América.

Os dois cães foram trazidos de Delaware quase uma semana depois dos Biden se instalarem no número 1600 da Pennsylvania Avenue, em Washington D.C., segundo o gabinete da primeira-dama Jill Biden. Na segunda-feira, 25 de Janeiro, foram ouvidos a latir perto da Sala Oval, quando Biden assinava uma ordem executiva que suspende a proibição de pessoas trans servirem no exército, anunciada pela administração Trump.

Donald Trump foi o primeiro presidente desde Andrew Johnson, na década de 1860, a não partilhar as obrigações presidenciais com um cão ou um gato (ou mesmo com um guaxinim, como o de Calvin Coolidge nos anos 1920).

Major será o primeiro cão resgatado por uma associação de animais a viver na Casa Branca. Foi a brincar com ele que Joe Biden fez uma microfractura no pé direito, antes da primeira reunião com a Administração Trump, ainda na sua casa em Wilmington, Delaware. Os Bidens adoptaram-no em Novembro de 2018, da Associação Delaware Humane. Embora seja o primeiro cão vindo de um abrigo para animais, não é o primeiro animal de companhia resgatado a chegar à Casa Branca. Yuki, um cão sem raça abandonado pelo dono numa bomba de gasolina no Texas, e resgatado pela filha do Presidente Lyndon B. Johnson, Luci, terá sido o primeiro. 

Champ, também um pastor alemão, juntou-se à família em 2008, semanas depois de Biden se ter tornado vice-presidente eleito durante a administração de Barack Obama. Champ tem o pelo castanho claro, com um focinho escuro, e Major tem o pelo preto com patas castanhas claras.

Um galo de uma só pata foi um dos animais de companhia de Theodore Roosevelt, 26º presidente dos EUA (1901 a 1909) Library of Congress (Biblioteca do Congresso)
O 27º presidente William Howard Taft (1909 a 1913) foi um dos últimos a ter uma vaca na Casa Branca. Na fotografia, Pauline posa em frente ao Eisenhower Executive Office Building, em Washington. Library of Congress (Biblioteca do Congresso)
Laddie Boy foi o primeiro cão famoso da Casa Branca. Foi oferecido ao 29º presidente dos EUA, Warren G. Harding, que serviu de 1921 a 1923. Library of Congress (Biblioteca do Congresso)
Rob Roy entra numa das fotografias da família de Calvin Coolidge, o 30º presidente dos EUA, de 1923 até 1929 Library of Congress (Biblioteca do Congresso)
A primeira-dama Grace Coolidge exibe o seu guaxinim de estimação, que iria fazer parte do banquete do Dia de Acção de Graças Library of Congress (Biblioteca do Congresso)
O responsável pelos canis da Casa Branca, Robert R. Watson, passeia os cães de Herbert Hoover, o 31º presidente dos EUA, entre 1929 e 1933 : King Tut, Whoopie e Englehurst Gillette Library of Congress (Biblioteca do Congresso)
Esta coleira pertencia a Fala, um Scottish Terrier que se tornou num dos mais famosos cães presidenciais e o único a ser imortalizado numa estátua que pode ser vista no Franklin Delano Roosevelt Memorial, em Washington Domínio público
A família Kennedy no que os amantes de cães chamariam de paraíso. Durante o seu mandato, John F. Kennedy teve vários animais de companhia. Domínio público
O 36º Presidente dos EUA, Lyndon B. Johnson, e Yuki faziam tudo juntos. Presidential Pet Museum
Presidente Ford (1974 a 1977) com a sua labradora, Liberty Domínio público
Ronald Reagan a ser puxado por Lucky enquanto a antiga primeira-ministra inglesa Margaret Thatcher se ri. Presidential Pet Museum
A primeira-dama Barbara Bush dá festinhas a Millie, a cadela dos Bush que teve cachorrinhos na Casa Branca, em 1989. Rick Wilking/Reuters
Socks, o gato, a seguir o dono Bill Clinton. Stephen Jaffe/Reuters
Socks não ficou particularmente contente quando a família Clinton ganhou um novo membro: o cão Buddy Rick Wilking/Reuters
Ms. Beazley, um dos Scottish terriers dos Bush, examina as próteses de um soldado norte-americano cujas pernas foram amputadas no Iraque. Larry Downing
Talvez uma das mais famosas fotografias de Pete Souza, o fotojornalista norte-americano lusodescendente e ex-director do Gabinete de Fotografia da Casa Branca. Obama corre com Bo, um dos dois cães de água portugueses que recebeu durante o mandato presidencial Pete Souza/The White House
Bo e Sunny, os cães da família Obama, a descansar num relvado da Casa Branca Pete Souza/The White House
Depois de quatro anos sem cães, a Casa Branca prepara-se para receber os dois pastores alemães de Joe Biden, o presidente eleito dos Estados Unidos da América. DR
Fotogaleria
P3

Kamala Harris, a vice-presidente eleita, e o seu marido não têm animais de estimação.

O ex-Presidente Barack Obama também não tinha nenhum animal de companhia durante a campanha, mas, durante o seu discurso de aceitação, depois de ganhar as eleições de 2008, prometeu às filhas Sasha e Malia um cachorrinho. E cumpriu. Bo, um cão de água português, mudou-se para a Casa Branca em Abril de 2009, um presente do falecido senador Ted Kennedy. Os Obamas adoptaram um segundo cão da mesma raça, Sunny, em 2013, de acordo com o Museu Presidencial de Animais de Companhia.