Daniel Kehlmann: um romance magistral

Partindo de uma figura do folclore medieval e da tradição literária, um saltimbanco demoníaco, Daniel Kehlmann escreveu um romance magistral.

Foto
Um brilhante trabalho sobre os desmandos da intolerância Picasa

Daniel Kehlmann (n. 1975) usou um pícaro lendário do folclore germânico para criar o protagonista do seu último romance. O popular vagabundo, conhecido por Dyl Ulenspegel (assim se nomeava no original, em baixo-alemão), surgido pela primeira vez na literatura de cordel cerca do ano 1510, nasceu, supostamente, em 1300, numa aldeia do actual estado da Saxónia, e morreu de peste em 1350. Segundo a tradição folclórica medieval, este Ulenspegel era um brincalhão que se fazia de tolo (talvez fosse mesmo um louco, segundo alguns), um saltimbanco, que passou a vida a desafiar as pessoas que acorriam para o ver, nos muitos lugares por onde passou, sobretudo com piadas escatológicas.

Sugerir correcção
Comentar