Escolas fechadas deixaram metade dos portugueses em casa. Números próximos do primeiro confinamento

No dia em que as escolas fecharam portas, o confinamento da população atingiu 50% e ficou muito parecido com o valor registado na primeira sexta-feira do primeiro estado de emergência, decretado em Março: 58%.

Foto
rui gaudencio

Nesta sexta-feira, um em cada dois portugueses ficou em casa. Este foi o primeiro dia em que todos os estabelecimentos de ensino estiveram encerrados, na sequência da evolução pandémica em Portugal.

Dados da consultora PSE, que tem monitorizado a mobilidade dos portugueses, mostram que, entre esta quinta e sexta-feira, o número de portugueses que ficou por casa passou de 44,1% para 50%, uma subida inferior a seis pontos percentuais.

A consultora relata assim a existência de um efeito positivo no que toca à redução da mobilidade na sequência do encerramento das escolas. Ao longo da última semana, os portugueses ficaram em casa, em média, mais 20% do que no período anterior à pandemia.

Ainda assim, nesta sexta-feira não se atingiram os valores observados no dia homólogo depois de se ter declarado o primeiro confinamento (20 de Março de 2020), quando ficaram em casa 58% dos portugueses. 

Há ainda uma tendência de aumento de mobilidade no final da passada sexta-feira. Entre as 19h e as 21h houve um aumento do número e tamanho das deslocações. Este indicador, segundo a consultora, pode simbolizar movimentações realizadas para segundas habitações para aí se passar o tempo de confinamento.

Neste domingo, é também expectável que a mobilidade aumente em virtude da deslocação dos eleitores às mesas de voto, estando essas deslocações permitidas por lei.

Numa sexta-feira normal, no período pré-pandemia, em média cerca de 23% da população estava por casa.

As escolas encerraram nesta sexta-feira, dia 22, devendo permanecer encerradas durante um período de 15 dias de calendário.