A Casa Chinesa do Porto: “Coisas esquisitas é só na nossa casa”

Mais de 80 anos de história bem explicados: “Tratamos os clientes com carinho, dedicação e respeito.” Diz quem sabe que esta é uma casa que tem tudo aquilo que os outros não têm. Hoje, continua a resistir de portas abertas. “Vamos ver como saímos daqui”.

loja,comercio,consumo,gastronomia,fugas,porto,
Fotogaleria
Nelson Garrido
loja,comercio,consumo,gastronomia,fugas,porto,
Fotogaleria
Nelson Garrido
loja,comercio,consumo,gastronomia,fugas,porto,
Fotogaleria
Nelson Garrido
loja,comercio,consumo,gastronomia,fugas,porto,
Fotogaleria
Nelson Garrido
,Alimentos de conveniência
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

Quem tem o privilégio de descer os lanços de escadas da Casa Chinesa vai encontrando peças de um puzzle, pistas para o passado de uma mercearia fina que abriu portas em 1938 e que já precisou destes espaços para armazenar os produtos que chegavam dos quatro cantos do mundo. Ainda ali está o velho balcão de mármore e as prateleiras de madeira pintada de branco, as cestas de vime dos cabazes de Natal, a mosqueira dos queijos e doces, as balanças Berkel, um par de imponentes máquinas registadoras Nacional, um moinho O Bom Café, uma garrafeira com Real Companhia Velha dos anos 1950 aos 70, resmas de “papel cimento” e algum papel de embrulho cor-de-rosa com o desenho de uma chinesa, a sua sombrinha e o número de telefone com cinco números.