Morreu Abrantes Serra, o capitão de Abril que ajudou a libertar os presos políticos

“Tomou conta” da escola dos fuzileiros em Vale do Zebro, no Barreiro, na madrugada da Revolução dos Cravos.

Foto
Militares de Abril numa sessão comemorativa da Revolução dos Cravos Rui Gaudencio

O capitão de Abril Abrantes Serra, que ocupou o forte de Caxias para libertar os presos políticos após o 25 de Abril de 1974, morreu na quarta-feira aos 82 anos, disse esta quinta-feira à Lusa um amigo do militar.

Em declarações à Lusa, o comandante Martins Guerreiro, militar do Movimento das Forças Armadas (MFA), que derrubou a ditadura, em 1974, e membro do Conselho da Revolução, lembra Abrantes Serra como uma pessoa “sóbria e discreta, “um apaziguador”.

José Júlio Abrantes Serra, que era capitão-tenente e tinha 36 anos em 1974, também ficou conhecido por ter ocupado, desarmado, a escola de fuzileiros na noite do golpe, porque o comandante da unidade, Rocha Calhordas, apesar de não aderido ao MFA, “era muito boa pessoa” e foi para o quarto sem criar problemas, recordou o próprio numa entrevista à Antena 1, em 2014, numa série intitulada “Heróis Anónimos da Revolução dos Cravos”.

No dia do golpe do MFA, esperou, nos morros junto à então Ponte Salazar, rebaptizada Ponte 25 de Abril, para ouvir a senha E depois do adeus na rádio para “tomar conta” da escola de fuzileiros, em Vale de Zebro, no Barreiro, em Setúbal.

No dia 25 de Abril de 1974, chegou a ter por missão reforçar a ocupação da sede da polícia política, a PIDE/DGS, em Lisboa, mas a sua companhia foi enviada “a correr” para o forte de Caxias, em Oeiras.

Aí, já na madrugada de 26 de Abril, assistiu à libertação de presos políticos como Palma Inácio (1922-2009), líder da Luar, que foi encontrar a fazer ginástica na cela, ou José Manuel Tengarrinha (1932-2018), fundador do Movimento Democrático Português (MDP).

Presenciou a libertação de presos e deteve agentes da DGS, “eram uns seis ou sete”, que estavam “admirados de não ter aparecido ninguém”, afirmou Abrantes Serra, no depoimento dado à jornalista Maria Flor Pedroso, em 1974.

Martins Guerreiro recorda Abrantes Serra, que esteve com ele no gabinete do chefe do Estado-Maior da Armada, como uma pessoa sóbria e discreta, “um apaziguador”, traço importante quando os militares, nessa altura conturbada, faziam visitas a unidades militares ou empresas para “tentar acalmar a agitação social”.

O funeral de Abrantes Serra realiza-se em 26 de Janeiro, no crematório do Feijó, Almada, pelas 13h30.