Do batom vermelho às linhas vermelhas

Se o Chega embarcar repetidamente num discurso contra o Estado de direito, pode vir a ultrapassar os limites politicamente aceitáveis mesmo para as almas mais tolerantes.

Há uma questão pertinente a propósito da ascensão dos radicalismos que vale a pena colocar: quando é que aquilo que os partidos radicais defendem passa a ser de tal forma ameaçador para a democracia que se torna politicamente exigível aos partidos moderados abdicarem do acesso ao poder, se preciso for, para impedir que os radicais entrem no arco da governação? Exemplificando com o caso português: o que é que Ventura precisa de dizer ou fazer para que se torne inaceitável qualquer acordo com o PSD?