Aprovado no código, Miguel Oliveira já está mais perto de ter carta de mota

O piloto português ainda não pode circular na estrada de mota.

Foto
Miguel Oliveira terá agora de provar a sua competência aos comandos do guiador ACP

É considerado uma das revelações dos últimos anos do motociclismo e, em Agosto, fez parar o mundo com uma vitória histórica em MotoGP no circuito de Red Bull Ring, que acolheu o Grande Prémio da Estíria, tendo conseguido na última curva e — numa impressionante manobra — ultrapassar Jack Miller e Pol Espargaró. Depois, voltou a subir ao primeiro lugar do pódio em Portimão, no GP de Portugal. No entanto, Miguel Oliveira ainda não pode manobrar motas em estrada porque… não tem carta.

O piloto português está, porém, mais perto de poder revelar os seus dotes fora das pistas, tendo sido aprovado, nesta quarta-feira, no exame de código, segundo informou o Automóvel Clube de Portugal, não obstante o facto de admitir que “talvez tenha sido a parte mais difícil”. É que, por um lado, “nem tudo é muito intuitivo de responder” e, por outro, porque na estrada “as coisas processam-se [de forma] completamente diferente” em relação às pistas.

Por isso, Miguel Oliveira confessou que não terá passado com distinção: “Talvez tenha falhado [uma pergunta] a ver com luzes em circulação em auto-estrada (…) e ainda havia uma sobre o líquido dos travões — se era afectado pela humidade ou se evaporava muito rapidamente e, sinceramente [risos], fiquei sempre na dúvida.” Esclareça-se: em auto-estrada, é obrigatório o uso de luzes de cruzamento (circular de motociclo naquele tipo de via apenas com luzes de presença constituiu uma contra-ordenação muito grave) e o líquido dos travões perde eficácia quando em contacto com o ar do qual absorve humidade.

Agora, para poder circular na estrada, Miguel Oliveira terá de provar a sua competência aos comandos do guiador.