Viagra Boys e a maldição do segundo álbum

Viagra Boys em modo country? Welfare Jazz mostra que é possível (mas não desejável). O segundo álbum da banda punk sueca tem o mérito de tentar sair da zona de conforto, mas é um mau sinal que os seus melhores momentos surjam quando o grupo se fica pelo que já sabe que consegue executar.

Foto
Marcus Wilen

Os Viagra Boys são uma banda estranha. Há dois anos, numa altura em que ainda havia concertos, falávamos das caóticas e barulhentas actuações deste grupo sueco, uma das cartas fortes do pós-punk actual, como experiências expurgatórias, ultra físicas, quase “perigosas”. Chegava a ser assustadora a desmedida entrega do vocalista Sebastian Murphy (nome anglo-saxónico porque nasceu e viveu até ao fim da adolescência nos Estados Unidos; Benjamin Vallé, Elias Jungqvist, Henrik Höckert, Oskar Carls e Tor Sjödén, os restantes membros, são todos naturais de Estocolmo), a forma como saltava de um lado para o outro e caía com estrondo no chão sem pensar muito nas consequências. O seu visual intrigava: entre o peito cheio de tatuagens (que conseguíamos sempre admirar porque raras eram as vezes que não cantava de tronco nu) e o corpo magricela que ao mesmo tempo exibia um pequeno solavanco na barriga, daqueles que costumam surgir depois da centésima cerveja, o artista podia muito bem fazer-se passar pelo tipo de indivíduo que não gostaríamos de ter pela frente em contexto de rixa nocturna. E no entanto, as suas canções falavam de cães e sapos espiões, pareciam condenar uma determinada espécie de masculinidade tóxica (ouvir: Sports) e sair em defesa dos desprotegidos.