Inspector do SEF defende que outros colegas e seguranças deviam ser arguidos

Arguido Luís Silva defende que morte de Ihor Homenyuk se deveu aos problemas de saúde, falta de assistência médica e negligência na prestação de auxílio por seguranças e outros inspectores. Põe em causa autópsia e médico que ligou para a PJ a alertar para homicídio. Início de julgamento adiado para 2 de Fevereiro.

Foto
Rui Gaudêncio

Até agora nenhum dos três inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) acusados do homicídio qualificado de Ihor Homenyuk falou. Irão negar a prática do crime, ao que tudo indica pelas declarações dos advogados de Luís Silva, Bruno Sousa e Duarte Laja.