Covid-19: administração da segunda dose da vacina arranca no Centro Hospitalar de Lisboa Central

A administração da segunda dose da vacina contra a covid-19 aos primeiros profissionais de saúde que foram vacinados no final do ano passado começou este domingo nos hospitais de São José e Curry Cabral, em Lisboa.

Foto
Primeiro dia do plano de vacinação contra a covid-19 no Hospital Curry Cabral, em Lisboa Daniel Rocha

Os primeiros profissionais de saúde que foram vacinados contra a covid-19 no final do ano passado em Portugal começaram este domingo a receber a segunda dose da vacina desenvolvida pela Pfizer/BioNTech.

A administração da segunda dose da vacina arrancou este domingo no Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) e vai “prolongar-se nos vários hospitais ao longo da semana”, confirmou ao PÚBLICO o Ministério da Saúde. No total, quase 30 mil profissionais de saúde “de contextos prioritários de hospitais e cuidados de saúde primários” irão receber inicialmente a segunda dose da vacina da Pfizer/BioNTech.

Mais tarde, fonte do CHULC especificou ao PÚBLICO que a vacinação recomeçou este domingo nos hospitais de São José e Curry Cabral para os profissionais que receberam a primeira dose a 27 de Dezembro.

Em comunicado, o Ministério da Saúde indicou ainda que, a nível europeu, a farmacêutica Pfizer/BioNTech vai proceder a uma “alteração às quantidades de entrega de vacinas contra a covid-19, afectando parcialmente a entrega da semana de 18 de Janeiro [segunda-feira]”.

Hospitais do Porto, Lisboa e Coimbra começam vacinação mais tarde

Vários são os hospitais em que a administração da segunda dose da vacina apenas se iniciará ao longo das próximas semanas. É o caso do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), no Porto, onde os profissionais de saúde serão vacinados apenas no próximo sábado, dia 23 de Janeiro.

“A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) recomenda a segunda toma 21 a 42 dias após a primeira. O CHUSJ cumprirá esse protocolo, vacinando nesse dia cerca de 2500 profissionais, um recorde nacional. O objectivo será vacinar num dia de fim-de-semana, aproveitando o espaço do centro de ambulatório e rentabilizando todas as doses, evitando desperdício de unidades e assim alargando a imunização dos profissionais da instituição. Pretendemos que o desperdício deste bem essencial seja nulo, daí a montagem de uma operação complexa e exigente, que vai englobar cerca de 100 profissionais, durante mais de 12 horas contínuas, num esforço de elevado planeamento e rigor”, explicou ao PÚBLICO fonte do hospital.

No Hospital de Santo António, no Porto, a vacinação está marcada para a próxima quinta-feira.

Já o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) vai proceder à administração das segundas doses aos seus profissionais de saúde na próxima semana, entre os dias 20, 21 e 22 de Janeiro, “cumprindo assim mais um passo para a efectivação do plano de vacinação contra a covid-19”. Fonte do gabinete de comunicação do CHUC explicou que a segunda fase da vacinação estava inicialmente prevista para este domingo, mas o hospital optou por começar “com mais calma e serenidade” noutro dia, que não a um domingo. “O prazo está dentro do recomendado pela EMA, houve apenas uma reorganização logística”, explica a mesma fonte.

No Hospital de Santa Maria, em Lisboa, a vacinação irá decorrer nos próximos dois fins-de-semana. Fonte da unidade hospitalar também destaca que “a norma indica que a segunda dose deve decorrer entre o 21° e o 42° dias depois da primeira toma da vacina”. A vacinação nesta fase vai decorrer no centro de ambulatório, pelo que por “questões operacionais” e “para causar o menor impacto possível no trabalho dos serviços nesta altura de grande pressão assistencial, esta fase da vacinação vai decorrer ao fim-de-semana”. A mesma fonte lembra ainda que o início da vacinação no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte se estendeu ao longo de três dias, “pelo que boa parte dos vacinados só cumpre os 21 dias [de intervalo] a meio da próxima semana”.

O Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, irá começar a administrar a segunda dose da vacina na próxima terça-feira, assim como o Hospital Amadora-Sintra.

A primeira fase de vacinação contra o novo coronavírus iniciou-se a 27 de Dezembro e abrangeu os profissionais dos centros hospitalares universitários do Porto, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central. Desde então e até esta sexta-feira, cerca de 106 mil pessoas já foram vacinadas em Portugal, incluindo também utentes e funcionários de lares de idosos.

A primeira fase do plano, até final de Março, abrange também profissionais das forças armadas, forças de segurança e serviços críticos. Nesta fase, serão igualmente vacinadas, a partir de Fevereiro, pessoas de idade igual ou superior a 50 anos com pelo menos uma das seguintes patologias: insuficiência cardíaca, doença coronária, insuficiência renal ou doença respiratória crónica sob suporte ventilatório e/ou oxigenoterapia de longa duração.

A segunda fase arranca a partir de Abril e inclui pessoas de idade igual ou superior a 65 anos e pessoas entre os 50 e os 64 anos, inclusive, com pelo menos uma das seguintes patologias: diabetes, neoplasia maligna activa, doença renal crónica, insuficiência hepática, hipertensão arterial, obesidade e outras doenças com menor prevalência que poderão ser definidas posteriormente, em função do conhecimento científico.

Na terceira fase, será vacinada a restante população, em data a determinar. As pessoas a vacinar ao longo do ano serão contactadas pelo Serviço Nacional de Saúde.