TAP perde um administrador executivo e cria área para coordenar reestruturação

Raffael Quintas, ligado ao ex-accionista David Neeleman, deixou o cargo de administrador financeiro. Comissão executiva fica com apenas dois elementos e é criada uma nova área para “centralizar e coordenar o programa de implementação do plano de reestruturação” da empresa.

Foto
Estado já detém 72,5% do capital da TAP e emprestou 1200 milhões à empresa Nuno Ferreira Santos

Raffael Quintas, membro executivo da administração da TAP e responsável pela área financeira da transportadora aérea nos últimos três anos, deixou o cargo, e, para já, não vai ser substituído por ninguém na estrutura de liderança da empresa.

Ligado ao ex-accionista da TAP, David Neeleman, e ao anterior presidente executivo, Antonoaldo Neves, Raffael Quintas (que esteve na Azul, transportadora aérea brasileira) sai no final do mandato, e num período de transição da TAP, que aguarda ainda a aprovação do plano de restruturação apresentado junto da Comissão Europeia e a escolha de um novo presidente executivo.

Para já, e de acordo com a mensagem enviada aos trabalhadores por Miguel Frasquilho (presidente do conselho de administração) e Ramiro Sequeira (presidente interino da comissão executiva), a comissão executiva fica com apenas dois elementos: o próprio Ramiro Sequeira e Alexandra Reis (que substituiu David Pedrosa).

Já ao nível da representação para as relações com o mercado (investidores) e com a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (regulador), Raffael Quintas vai ser substituído por Renato Salomone, director de tesouraria geral e finanças corporativas da TAP.

De acordo com a mensagem enviada aos trabalhadores, o gabinete jurídico e o gabinete de projectos especiais “passam a reportar ao presidente da comissão executiva”, Ramiro Sequeira, e “o planeamento de frota e contratos, TAP I.T. e áreas financeiras a reportar à administradora executiva Alexandra Reis”.

Por outro lado, os responsáveis da empresa referem ainda que foi decidido proceder à criação na estrutura organizacional da TAP SA “e na dependência directa da comissão executiva e do conselho de administração, de uma nova área designada de transformation office [departamento de transformação], sob a responsabilidade de Miguel Malaquias Pereira, que tem vindo a assegurar a função de PMO [project management officer] no âmbito da definição do Plano de Reestruturação” que está a ser negociado com Bruxelas.

Esta nova área “terá como missão principal centralizar e coordenar o programa de implementação do plano de reestruturação, promover a gestão, implementação e a monitorização de todas as iniciativas do plano, assim como a coordenação dos vários interlocutores relevantes, garantindo o reporting à comissão executiva e ao conselho de administração”.

O novo administrador financeiro deverá ser escolhido pelo próximo presidente executivo, cuja escolha será feita pelo Governo, em articulação com a empresa Korn Ferry, especializada em recrutamento. O PÚBLICO tem questionado o gabinete do ministro das Infra-estruturas, Pedro Nuno Santos, sobre o ponto de situação da escolha do novo responsável pela TAP, mas não tem recebido qualquer resposta.