Comércio electrónico cresceu à força para resistir ao teste de stress do Natal

O comércio online já apresentava taxas de crescimento elevadas, mas a pandemia trouxe um impulso inédito na sua utilização. E conseguiu passar o exame do Natal mais digital.

Foto
Nelson Garrido

Aumentos de 30%, 50% e até 72%. O último mês do ano veio somar taxas de crescimento da procura muito elevadas à utilização do comércio electrónico. E só não houve ruptura nem problemas de maior dimensão, “porque os operadores tiveram tempo para se preparar e souberam fazê-lo”, disse ao PÚBLICO, José Correia, presidente da Associação Portuguesa de Operadores Expresso (APOE).