Crash, um convite para explorar os viadutos da nossa mente

Foto
Em 1969, enquanto trabalhava no livro The Atrocity Exhibition, Ballard explorou as hipóteses da ficção no espaço “real” de uma galeria no New Arts Laboratory de Londres Wesley/Keystone/Getty Images

Vivemos dentro de um enorme romance. Para o escritor, é cada vez menos necessário inventar o conteúdo ficcional das suas obras. A ficção já existe, está diante dos seus olhos. A tarefa do escritor é inventar a realidade.
J. G. Ballard (prefácio de Crash — Relógio de Água, 1996)