O comportamento dos candidatos em pandemia e as urnas

Sendo Marcelo Rebelo de Sousa quem assina o decreto de estado de emergência, poderia sempre ser acusado de estar a querer condicionar a campanha.

Arranca este fim-de-semana a campanha para a eleição do Presidente da República que se realizará a 24 de Janeiro. É uma prova da maturidade democrática do sistema político que não seja adiada esta consulta aos eleitores. É importante que se tenha consciência de que a pandemia de covid-19 não pode pôr em causa a democracia. Mas isso não significa que estas eleições possam ser encaradas pelos candidatos, pelos apoiantes destes e pelos eleitores como umas eleições iguais às outras. É claríssimo que não o são.