Covid-19: a vacinação em profissionais de saúde que amamentam

A Agência Europeia do Medicamento entende não haver riscos para a amamentação, com o Center for Disease Control (CDC) a suportar este entendimento, afirmando que “é altamente improvável que algum dos componentes da vacina seja excretado através do leite materno”.

Foto
Wes Hicks/Unsplash

Os ensaios clínicos da vacina para a covid-19 não incluíram a vacinação de mulheres grávidas e a amamentar e, por isso, não existem dados sobre a sua eficácia e segurança. Não existe, portanto, informação sobre os efeitos desta vacina na criança amamentada, nem sobre os seus efeitos ao nível da produção e da excreção de leite materno.

A Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) entende não haver riscos para a amamentação, com o Center for Disease Control (CDC) a suportar este entendimento, afirmando que “é altamente improvável que algum dos componentes da vacina seja excretado através do leite materno”. O e-lactancia, projecto online desenvolvido por pediatras e farmacêuticos da Associação Para a Promoção e Investigação Científica e Cultural da Lactância Materna (APILAM), onde é possível consultar a compatibilidade da amamentação com medicamentos, plantas, doenças, exames médicos e outros produtos, explica que se os componentes da vacina fossem excretados no leite materno, seriam digeridos no trato gastrointestinal da criança amamentada, não havendo risco acrescido. 

No mesmo sentido, a Academy of Breastfeeding Medicine (ABM) acrescenta que a vacina estimula o crescimento de anticorpos produzidos pela mãe, que passivamente poderão ser transferidos para o leite materno, protegendo, assim, a criança, da infecção por SARS-CoV-2.

O Joint Committee on Vaccination and Immunisation (JCVI) do Sistema Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês) recomenda, a par do CDC (EUA), que as vacinas da Pfizer/BioNtech e da Oxford/AstraZeneca podem ser administradas durante o período de amamentação.

De acordo com as orientações do CDC, as profissionais de saúde que se encontrem a amamentar podem ser vacinadas se assim o escolherem. O Advisory Committee on Immunization Practices do CDC refere, ainda que a vacinação contra a covid-19 durante a lactação não afecta a segurança da amamentação para mãe e criança (apenas as vacinas para a febre amarela e varíola são contra-indicadas durante a lactação).

O American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) defende que a vacinação não deve ser negada a mulheres lactantes, desde que façam parte dos grupos de risco, nos quais se incluem as profissionais de saúde. Teoricamente, as questões relacionadas com a segurança da vacina não se sobrepõem aos seus potenciais benefícios, mesmo amamentando. Para a ABM e o ACOG, não há necessidade de interromper a amamentação após a vacinação, pois a vacina não contém o vírus vivo (apenas RNAm).

Em Portugal, a norma 021/2020 da Direcção-Geral de Saúde (DGS) estatui: “Não existem estudos sobre a administração desta vacina durante a gravidez e desconhece-se se esta vacina é excretada no leite humano […] se os benefícios esperados ultrapassarem os potenciais riscos para mulher, a vacina poderá ser considerada, por prescrição do médico assistente.” 

Porém, estas orientações não estão a ser seguidas em todas as instituições de saúde. Há profissionais de saúde na linha da frente a quem está a ser negada a protecção individual contra a covid-19 por via da vacinação. Têm-me chegado várias mensagens (na página que giro) de profissionais de saúde nesta situação.

Algumas profissionais de saúde lactantes não são sequer convocadas para a vacinação. Outras sentem-se compelidas a mentir, dizendo que não amamentam, para poderem ser vacinadas. Outras tantas são incentivadas a cessar a amamentação para poderem ser vacinadas. Impera o medo, a desinformação e o “é melhor não arriscar”.

A amamentação é recomendada pela OMS desde o nascimento até, pelo menos, aos dois anos. Conhece-se o seu papel fundamental na modulação do sistema imunitário da criança, e na prevenção de doenças crónicas, como a diabetes e a obesidade. Incentivar ao desmame para que a vacinação possa ocorrer traz inúmeros riscos e nenhuma vantagem. 

 A interrupção da amamentação (ainda que temporariamente) poderá originar problemas como: trauma emocional significativo para o bebé/criança amamentada; diminuição da produção de leite devido à necessidade de extracção de leite; possível recusa da mama por parte do bebé caso sejam introduzidos biberões; decréscimo dos factores imunitários protectores devido à falta de amamentação directa e porque o leite extraído não corresponde às necessidades do bebé numa determinada altura; risco aumentado de o bebé ficar doente devido à falta do apoio imunitário fornecido pela amamentação directa.

A vacinação contra a covid-19 deve ser uma escolha individual e informada de cada lactante. Não cabe à instituição, nem a terceiros, tomá-la e muito menos recusar vacinas a quem mais precisa.

Em boa verdade, ao vacinar uma mulher que amamenta, estamos a vacinar, pelo menos, duas pessoas. Como podemos pedir a estas pessoas para dar o corpo às balas, se lhes negamos o colete à prova de bala?