Uma colecção com mulheres que não estão só a mudar a poesia, mas a mudar o mundo

Elogio da sombra, a coleção de poesia coordenada por Valter Hugo Mãe no grupo Porto Editora, vai abrandar o ritmo neste ano mas promete a chegada de um inédito de António Cabrita e continua a querer mostrar a libertação profunda das mulheres na poesia portuguesa. Uma mudança de paradigma conquistada no século XXI.

Foto
Paulo Pimenta

Nestes últimos meses, na colecção de poesia de que Valter Hugo Mãe faz a curadoria no grupo Porto Editora, a elogio da sombra, foi publicado A axila de Egon Schiele (poesia reunida 2014-2020), de André Tecedeiro. Agora, esperam-se mais dois volumes da Obra Poética de Cruzeiro Seixas (1920- 2020) que ao todo terá quatro volumes. O terceiro volume deverá sair em Março e o quarto volume, aquele que reunirá os inéditos e dispersos e que nunca tinha sido publicado, lá para o final do ano.