Valter Hugo Mãe: “As mães são mesmo de onde vêm os escritores”

Está a escrever um romance que se passa no Brasil no século XIX. Mas no ano em que ficou em casa por causa da pandemia, olhou para a si próprio: Contra Mim.

Foto
Paulo Pimenta

A partir de quinze anos de textos dispersos e apontamentos, o escritor Valter Hugo Mãe, editor, artista plástico e músico português que nasceu em Angola, em 1971, revisita na autoficção Contra Mim (Porto Editora) a história da sua família, da sua infância, quando esta ainda podia ser “alarve”. É a adolescência (até aos 13 anos) de “um menino melancólico, à deriva”, em Paços de Ferreira e nas Caxinas.

Sugerir correcção
Comentar