Eleições EUA 2020

Vidros partidos, móveis destruídos: o que ficou da invasão ao Capitólio

REUTERS/Jonathan Ernst
Fotogaleria
REUTERS/Jonathan Ernst

O impensável aconteceu: esta quarta-feira, 6 de Janeiro, centenas de apoiantes de Donald Trump invadiram o Capitólio dos EUA e o processo de certificação dos resultados das presidenciais que decorria no Congresso foi suspenso por algumas horas, numa acção equivalente a um golpe de estado.

Quatro pessoas morreram e 52 foram detidas. Ficaram ainda feridos 14 agentes da polícia, cuja actuação com "pezinhos de lã" foi criticada por activistas do movimento Black Lives Matter. Esta quinta-feira, o Congresso certificou os votos no Colégio Eleitoral e confirmou, por fim, a vitória de Joe Biden, que descreveu as "cenas de caos" e destruição como um "assalto à cidadela da liberdade".

Mas, retomada uma aparente serenidade, nos corredores as cicatrizes da véspera ainda eram visíveis. E difícil será sará-las, pensando naquele que está a ser descrito como um dia negro na História e na democracia dos EUA.

Tom Brandt via REUTERS
Tom Brandt via REUTERS
REUTERS/Jonathan Ernst
REUTERS/Jonathan Ernst
REUTERS/Jonathan Ernst
REUTERS/Jonathan Ernst
EPA/SHAWN THEW
REUTERS/Jonathan Ernst
Tom Brandt via REUTERS
REUTERS/Jonathan Ernst
Tom Brandt via REUTERS
GAMAL DIAB/EPA
EPA/JIM LO SCALZO
EPA/SHAWN THEW
EPA/SHAWN THEW
EPA/SHAWN THEW
EPA/MICHAEL REYNOLDS
EPA/SHAWN THEW
Sugerir correcção