Trump promete “transição ordeira” após confirmação da vitória de Biden no Congresso dos EUA

Cerimónia de certificação dos votos do Colégio Eleitoral foi retomada depois da invasão dos apoiantes de Trump do Capitólio e a vitória de Biden foi validada por Pence. Presidente cessante insiste na tese de fraude e diz que o seu mandato foi “o melhor da História”.

Vídeo: Entre as palavras de Trump e as de Biden, uma invasão ao Capitólio

O Presidente dos Estados Unidos comprometeu-se esta quinta-feira e pela primeira vez desde que assumiu o cargo, em 2017, com uma “transição ordeira” de poder para a Administração Biden. A tomada de posição de Donald Trump, que não deixou de insistir em dizer que venceu as eleições presidenciais de 3 de Novembro, foi feita pouco depois de o Congresso ter certificado os votos no Colégio Eleitoral e confirmado a vitória de Joe Biden e de Kamala Harris, no final de uma jornada inédita para o país, marcada pela invasão e vandalização do Capitólio, em Washington, por apoiantes do líder republicano.

“Apesar de discordar totalmente do resultado das eleições e de os factos me darem razão, haverá, ainda assim, uma transição ordeira a 20 de Janeiro”, reagiu o Presidente, citado num comunicado partilhado pelo seu porta-voz, Dan Scavino.

“Sempre disse que iria continuar a nossa luta para garantir que apenas os votos legais eram contados. Embora isto represente o fim do melhor primeiro mandato da História presidencial, é apenas o início da nossa luta para tornar a América grande de novo!”, declarou Trump.

Esta reviravolta na postura do Presidente, que viu todos os processos de contestação eleitoral serem rejeitados pela Justiça e que, horas antes, estava a garantir aos seus apoiantes que “nunca [iria] desistir, nunca [iria] ceder” o poder, face ao alegado “roubo” eleitoral a favor do Partido Democrata, marca o fim um dia negro na História e na democracia dos EUA.

Pela primeira vez desde 1814, quando as tropas britânicas invadiram Washington, o Congresso dos EUA foi atacado. Uma multidão de apoiantes do chefe de Estado respondeu de forma violenta ante a promoção insistente, nos últimos meses, da narrativa de fraude eleitoral, de corrupção do sistema de votação e de rejeição de qualquer cenário de transição pacífica por parte de Trump e dos seus aliados e espalhou o caos dentro do edifício federal.

Apoiantes de Trump conseguiram aceder ao interior do Capitólio EPA/JIM LO SCALZO
Photo by Win McNamee/Getty Images
Photo by Drew Angerer/Getty Images,Photo by Drew Angerer/Getty Images
Photo by Win McNamee/Getty Images
Segurança tenta impedir que manifestantes entrem na sala com senadores, Drew Angerer/Getty
Manifestantes conseguiram ultrapassar a polícia e invadir Capitólio Reuters/MIKE THEILER
Apoiante de Trump conseguiu invadir escritório de Nancy Pelosi EPA/JIM LO SCALZO
Gás lacrimogéneo foi lançado durante a invasão ao Capitólio EPA/JIM LO SCALZO
Um dos apoiantes do Presidente carrega a bandeira da Confederação Reuters/MIKE THEILER
EPA/JIM LO SCALZO
Milhares de pessoas marcharam até ao Capitólio Reuters/LEAH MILLIS
Manifestantes forçaram entrada no edifício Reuters/STEPHANIE KEITH
Reuters/STEPHANIE KEITH
David Trone usa uma máscara anti-gás dentro do Capitólio Reuters/TWITTER/@REPDAVID TRONE
Polícia evacua jornalistas e outro staff Reuters/JONATHAN ERNST
Reuters/STEPHANIE KEITH
Imagem da evacuação dos jornalistas Reuters/JONATHAN ERNST
EPA/JIM LO SCALZO
EPA/JIM LO SCALZO
Homem foi detido enquanto invadia Capitólio REUTERS/Jonathan Ernst
Kevin Dietsch/Pool via REUTERS
Polícia acorre ao local para tentar controlar situação EPA/MICHAEL REYNOLDS
Polícia tenta impedir que manifestante derrube barreira junto ao edifício Reuters/JIM URQUHART
Reuters/JIM URQUHART
Apoiantes de Trump reunidos em Washington D.C EPA/JIM LO SCALZO
Photo by Drew Angerer/Getty Images
Fotogaleria

Multidão invadiu símbolo da democracia norte-americana. Sem máscara, armados e incentivados por Donald Trump, os manifestantes furaram barreira policial e pedem recontagem dos votos. Quatro pessoas morreram.

Miguel Dantas

Quatro pessoas morreram durante os distúrbios no Capitólio e 52 foram detidas. Nos jornais, televisões e redes sociais sucederam-se, ao longo das últimas horas, imagens e vídeos que mostraram pessoas com adereços, bandeiras e cartazes de apoio ao Presidente, a grupos de extrema-direita ou à Confederação, a destruírem ou vandalizarem a mobília, a decoração e os gabinetes do Capitólio, depois de terem forçado as barreiras de segurança.

A invasão foi rotulada pelo Presidente eleito, Joe Biden, como “um ataque sem precedentes” à democracia americana e condenado por líderes políticos em todo o mundo, desde Portugal à NATO, à Rússia ou à União Europeia.

Para além disso, a invasão do Capitólio forçou o encerramento da sessão plenária conjunta no Congresso norte-americano, convocada para quarta-feira para certificar os votos do Colégio Eleitoral e a vitória de Biden.

Ainda assim, os senadores e congressistas voltaram a reunir-se, muitas horas depois e já durante a madrugada desta quinta-feira, e validaram os votos, rejeitando as objecções levantadas por parlamentares republicanos aos resultados eleitorais nos estados do Arizona e da Pensilvânia. 

Biden teve 306 votos no Colégio Eleitoral e Donald Trump ficou-se pelos 232. Assim, fica apenas a faltar a cerimónia de tomada de posse de Biden como Presidente e de Kamala Harris como vice-presidente para completar o ciclo político iniciado com as eleições de 3 de Novembro de 2020.

A confirmação dos resultados foi feita pelo vice-presidente, Mike Pence, um aliado de sempre de Trump, que, no entanto, rejeitou os apelos do Presidente para que bloqueasse a certificação dos votos do Colégio Eleitoral e encontrasse um caminho para o manter na Casa Branca.