Meo e Nowo travaram oferta móvel a cinco euros para evitar “guerra de preços”

Acordo ilegal de não concorrência, que vigorou ao longo de 2018 e motivou coima de 84 milhões à Meo, impediu lançamento de oferta que provocaria uma “guerra de preços”.

Foto
daniel rocha

No início de Dezembro, a Autoridade da Concorrência (AdC) condenou a Meo, do grupo Altice, a uma coima de 84 milhões de euros por fixar preços e repartir mercados com a Nowo, no tempo em que esta empresa ainda era detida pela Apax France e pela Fortino (hoje pertence à Más Móvil e GAEA, entidades que não estão implicadas no caso). Na decisão final da AdC, que o PÚBLICO consultou, conclui-se que o acordo ilegal foi “cozinhado” ao nível dos accionistas das duas empresas entre o final de 2017 e início de 2018 e evitou o lançamento de uma oferta de comunicações móveis da Nowo com potencial para gerar “uma guerra de preços”.

A verdade faz-nos mais fortes

Das guerras aos desastres ambientais, da economia às ameaças epidémicas, quando os dias são de incerteza, o jornalismo do Público torna-se o porto de abrigo para os portugueses que querem pensar melhor. Juntos vemos melhor. Dê força à informação responsável que o ajuda entender o mundo, a pensar e decidir.

No início de Dezembro, a Autoridade da Concorrência (AdC) condenou a Meo, do grupo Altice, a uma coima de 84 milhões de euros por fixar preços e repartir mercados com a Nowo, no tempo em que esta empresa ainda era detida pela Apax France e pela Fortino (hoje pertence à Más Móvil e GAEA, entidades que não estão implicadas no caso). Na decisão final da AdC, que o PÚBLICO consultou, conclui-se que o acordo ilegal foi “cozinhado” ao nível dos accionistas das duas empresas entre o final de 2017 e início de 2018 e evitou o lançamento de uma oferta de comunicações móveis da Nowo com potencial para gerar “uma guerra de preços”.

A carregar...