Juventus e Ronaldo com novo fôlego na luta pela Série A

A Juventus visitou o AC Milan, líder do campeonato, e venceu por 1-3, num jogo em que Ronaldo não marcou e não esteve particularmente feliz.

Foto
De Ligt e Calhanoglu em duelo Reuters/ALBERTO LINGRIA

AC Milan, Inter de Milão e Nápoles perderam pontos, Juventus e Roma aproveitaram. Depois de Paulo Fonseca vencer pela Roma, ainda durante a tarde, à noite foi a vez de a Juventus, de Ronaldo, conseguir o seu triunfo na Liga italiana. E logo num duelo directo pelo título.

A Juventus visitou o AC Milan, líder do campeonato, e venceu por 1-3, num jogo em que Ronaldo não marcou e não esteve particularmente feliz. Ainda assim, o essencial foi feito: o campeão chegou aos 30 pontos, menos sete do que o AC Milan, mas com menos um jogo disputado.

Em Milão, a primeira parte teve momentos distintos de domínio. Primeiros 30 minutos com prevalência do poderio da Juventus e um final de primeira parte com equilíbrio de forças por parte do AC Milan.

Chiesa enviou uma bola ao poste aos 16’, que serviu como treino para o que fez dois minutos depois. Combinou com Dybala e o argentino fez uma assistência tremenda, de calcanhar, para a finalização acertada de Chiesa.

O avançado italiano ainda obrigou Donnarumma a uma boa defesa à passagem dos 20 minutos, mas o português Rafael Leão entrou ao serviço a partir daí. Fez um remate perigoso, a passar perto do poste, e uma segunda tentativa já aos 27’, para defesa de Szczesny.

Sem acerto, o português decidiu que, à terceira, seria outro colega a tentar. Aos 41’, Leão conduziu da esquerda para o meio e, em vez de rematar em arco, como gosta de fazer, serviu Calabria, que fez um grande remate em jeito. Para Leão, foi a quarta assistência em 12 jogos (soma ainda quatro golos marcados).

1-1 num jogo em que a Juve dominou mais tempo, mas que até viu o Milan somar mais remates.

Na segunda parte, o jogo não mudou muito e teve lances nas duas áreas. A Juventus teve mais bola, mas o Milan até começou por criar perigo por Dalot, aos 48’.

Mas esta era a noite de Chiesa. Aos 62’, o italiano encontrou espaço para rematar do lado direito, com o pé esquerdo. 1-2 e Chiesa substituído… no minuto seguinte – presume-se que por motivos físicos, ainda que não esses não tenham sido claros.

McKennie desperdiçou a possibilidade de dar tranquilidade à Juventus, aos 70’, mas não desperdiçou aos 76’. 1-3 e jogo feito para a Juventus.