Familiares obrigados a pagar para visitar detidos na Síria

Relatório de associação sugere que o esquema de extorsão no sistema prisional, que beneficia guardas, juízes, militares e intermediários, serve para contornar sanções. Ainda há cerca de 130 mil detidos ou desaparecidos às mãos do regime de Assad.

Foto
Estima-se que 100 a 250 mil pessoas foram detidas ou feitas desaparecer desde a insurreição contra Assad MARKO DJURICA/Reuters

Já se sabia que as famílias de prisioneiros sírios ou de desaparecidos que se suspeitam estarem nas cadeias do regime pagam muitas vezes enormes quantias na esperança de conseguir a sua libertação. Há quase dez anos de relatos e testemunhos soltos. Mas um novo relatório descreve como os sírios são obrigados a pagar subornos só para lhes ser permitida uma visita e nota que essa prática se instituiu como um vasto esquema de extorsão que alimenta altos responsáveis, ajudando-os a evitar as sanções internacionais que visam membros do Governo, do aparelho militar ou empresários.