Doenças do comportamento alimentar ganham força de ilusão para preencher o vazio dos dias

Sendo doenças que afectam todo o corpo físico e mental, é fortemente atingida a auto-determinação necessária para a realização de um projecto de vida com sucesso e harmonia, porque o corpo é a casa onde habita a vida e a identidade própria de cada indivíduo.

Foto
"Se o corpo não está tranquilo a vida fica agitada e pobre" Priscilla Du Preez/Unsplash

As perturbações que surgem de um comportamento alimentar alterado ou desorganizado podem evoluir para doenças que afectam o equilíbrio físico e emocional. Podem tornar-se de evolução crónica, contribuindo para o aparecimento de patologias orgânicas que interferem com o normal desenvolvimento na infância e adolescência e de doenças metabólicas ou funcionais na idade adulta.

Falamos da Doença Anorexia Nervosa que cursa com restrição alimentar progressiva até à desnutrição; a Bulimia Nervosa que leva a graves desequilíbrios metabólicos com consequências orgânicas que podem pôr a vida em risco; a Perturbação de Ingestão Compulsiva que leva a variações do peso com marcada repercussão na função de vários órgãos; e a Obesidade que ela própria passa a ser uma doença crónica em si mesma factor de risco para o aparecimento e evolução de outras doenças.

Sendo doenças que afectam todo o corpo físico e mental, é fortemente atingida a autodeterminação necessária para a realização de um projecto de vida com sucesso e harmonia, porque o corpo é a casa onde habita a vida e a identidade própria de cada indivíduo. Se o corpo não está tranquilo a vida fica agitada e pobre.

Quanto mais precocemente for feito o diagnóstico de uma Doença do Comportamento Alimentar e posto em curso um tratamento, maiores as possibilidades de ultrapassar os problemas delas decorrentes e retomar uma vida livre e saudável que progrida para a autonomia e realização pessoal.

Neste tempo de pandemia, em que ficam suspensos os encontros e os contactos com as manifestações físicas dos afectos adiadas, em que a incerteza tomou conta das rotinas na construção da vida, com o corpo confinado a um espaço de isolamento, as doenças do comportamento alimentar ganham força de ilusão para preencher o vazio dos dias sempre iguais.

Na Anorexia acentua-se o comportamento obsessivo de restrição. Na Bulimia aumentam os episódios de alimentação caótica seguidos de eliminação forçada, na ilusão de que um comportamento anula o outro. Na Ingestão Compulsiva, aumentam as ingestões descontroladas numa tentativa de compensação emocional para a frustração e a ansiedade. Tudo se passa numa tentativa desesperada de minimizar a incerteza e conseguir um controlo do que falha na realização pessoal.

Nestes tempos difíceis que atravessamos não deve adiar a procura de ajuda clínica e é preciso que os canais de contacto com os profissionais de saúde que acompanham estas situações se mantenham livres e acessíveis para que as famílias e os doentes com distúrbios alimentares encontrem a orientação e a palavra que precisam para com tranquilidade viverem esta época de família, porque é preciso alimentar o Amor e a Esperança.