Mais 6049 casos e 79 mortes por covid-19. “Ainda é cedo” para atribuir aumento de infecções ao Natal

Valor de novas infecções é o mais alto desde 5 de Dezembro. Infecciologista António Silva Graça relembra que número de testes realizados durante quadra natalícia diminuiu imenso, considerando cautela no estabelecimento destes dados com o Natal.

Foto
Paulo Pimenta

Portugal registou mais 79 mortes por covid-19 e 6049 novos casos de infecção na terça-feira, de acordo com o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) desta quarta-feira. As vítimas mortais sobem assim para 6830 e o total de infectados ascende a 406.051 desde o início da pandemia. O número de novas infecções é o mais elevado desde 5 de Dezembro, quando o relatório de situação deu conta de 6087 infecções detectadas nas 24 horas anteriores.

Este aumento de novos casos surge apenas cinco dias após a quadra natalícia, período de habitual reunião das famílias e convívios sociais. Contudo, o médico infecciologista António Silva Graça aconselha cautela no estabelecimento desta ligação com a época festiva, lembrando um outro indicador menos visível que pode estar na base desta subida de infecções.

“Não podemos excluir em absoluto que possa haver uma pequena interferência [do Natal], mas não podemos também esquecer que durante praticamente quatro dias quase não se realizaram testes e que a disponibilidade dos profissionais de saúde para fazer a notificação também não é a mesma. Portanto é provável que possa apenas ser o acumular dos casos entretanto diagnosticados e que possa não haver relação certa, para já, com o período do Natal”, explicou o infecciologista em conversa com o PÚBLICO.

Efectivamente, de acordo com os dados recolhidos pela Esri Portugal, empresa especializada no desenvolvimento e fornecimento de sistemas de informação, foram recolhidas apenas 8770 amostras no dia de Natal, o número mais baixo desde Agosto. Tal como o PÚBLICO tinha noticiado, a procura foi maior imediatamente antes do Natal, com 58.686 no dia 23 de Dezembro. No dia 24, este número baixou para 33.611, tendência repetida no dia 26 (19.312) e 27 de Dezembro (17.137).

António Silva Graça prevê que esta tendência se volte a repetir no próximo fim-de-semana, como consequência da passagem de ano novo, mas diz que ainda será preciso esperar uns dias para que a ligação ao Natal possa ser feita com segurança. Relativamente ao número de óbitos, que vai descendo lentamente, o infecciologista mostra alguma preocupação, dizendo que os dados deste indicador já deveriam ter começado a descer há mais tempo. Caso este número elevado de novos casos se repita nos próximos dias, poderá existir motivo para preocupação.

“Estava à espera que este número de óbitos fosse menor, mas numa relação de semana a semana. Tem-se mantido num número um pouco superior ao que era desejado. Não se esqueça que [este indicador] tem uma relação com o número de novos casos e o tamanho da curva não mostra uma descida dos novos casos. Se [os números desta quarta-feira se repetirem mais vezes] acho que é motivo para estar preocupado? É. Não vai ter já reflexo, mas é um facto que vai inverter esta tendência de descida, que está a ser muito lenta e já devia ter acontecido – pelas minhas contas e cálculos – há duas semanas”, conclui o médico infecciologista.

Já durante a tarde desta quarta-feira, António Costa corroborou a opinião de António Silva Graça, dizendo que será preciso aguardar pela segunda semana de Janeiro para avaliar o impacto do Natal na evolução da pandemia da covid-19. "Na segunda semana de janeiro talvez possamos avaliar o impacto do Natal”, afirmou o primeiro-ministro em declarações após uma visita ao Hospital Amadora-Sintra, que inaugurou uma nova ala de cuidados intensivos

Região Centro com máximo de novas infecções

O boletim desta quarta-feira indica que há 2896 pessoas internadas, menos 34 do que no dia anterior, sendo que 487 estão nos cuidados intensivos (mais uma).

Há mais 3222 pessoas recuperadas, aumentando o total de recuperações no país para 331.016. Excluindo estes casos e os óbitos, há 68.205 casos activos em Portugal, mais 2748 do que no dia anterior.

Lisboa e Vale do Tejo (2097) e a região Norte (2390) concentram a maior parte dos casos identificados, com cerca de 74% das notificações de terça-feira. Também somam o maior número de mortes: cerca de 71%, com 31 na região Norte e 25 em Lisboa e Vale do Tejo.

A região Centro teve esta quarta-feira um novo máximo diário de infecções registadas, com 1063. É a primeira vez que ultrapassa os mil casos em 24 horas, com o valor recorde anterior a serem os 964 detectados em 27 de Novembro. Foram ainda reportadas 12 mortes. O Algarve também teve um máximo diário de novos casos, com 220, mais um do que o recorde anterior de 219 casos identificados a 16 de Novembro.

A taxa de letalidade global está agora em 1,69%, subindo a 10,3% em casos de doentes com 70 ou mais anos. É neste grupo etário que se encontra a maior fatia de vítimas mortais por covid-19, com 6017 das 6049 (88%).

O Norte soma agora 3157 mortes em 207.376 casos de infecção, ambos máximos nacionais, seguido de Lisboa e Vale do Tejo, com 2377 mortes e 130.938 casos, e do Centro, com 980 vítimas mortais e 46.306 infecções acumuladas.

O relatório reporta ainda mais nove mortes no Alentejo e duas no Algarve. O Alentejo contabiliza agora um total de 211 mortes e 10.599 casos (mais 201) e o Algarve 71 óbitos e 7479 infecções (mais 220). 

Açores e Madeira somaram 47 e 31 novos casos, respectivamente, e não têm registo de mortes adicionais na terça-feira. Desde Março, a Madeira teve 12 mortes por covid-19 e 1557 casos; os Açores contabilizam 22 mortes e 1796 infecções.